Novidades

31 de outubro de 2017

Visões



 Meu nome e Caio tenho 25 anos e moro em Minas Gerais interior .
 Era um dia comum estava em casa comendo quando escutei alguém me chamar , fui ate o portão e não encontrei ninguém , voltei para dentro e minha refeição estava com larvas parecia estar ali a dias e parecia podre , um pedaço de carne putrefacto rodeado de moscas . Imediatamente notei que alguma coisa estava acontecendo . Sou de uma religião da qual não posso citar, mais já me aconteceu coisas que ninguém acreditaria, neste mesmo dia estava vendo televisão quando algo pequeno como uma criança cruzou o corredor , fui investigar , por morar sozinho tinha que tomar conta da minha casa , ao chegar notei um figura melancólica e sem vida no canto do meu quarto , acendi a luz e não tinha mais nada ali , o resto da noite foi muito difícil . A madrugada tomava conta e fui me deitar no meio da noite levantei com vontade de ir ao banheiro só que a porta do meu quarto não abria estava trancada ou melhor “travada” puxei a maçaneta de todas as formas mais não consegui , algo me jogou na cama e adormeci , no meio do sono senti que algo deitava sobre mim , não conseguia reagir ou se quer falar alguma coisa , suava , sentia as gotas pingando e percorrendo meu corpo . Para minha sorte a manha chegou e clareou as trevas, me levantei e deparei com dois sapatinhos de criança ao pé da minha cama , achei aquilo estranho , nada fazia sentido , aquilo parecia um pesadelo lúcido , bem que queria mais era tudo real , os catei e levei para fora e coloquei fogo nas peças . Este dia nunca mais se repetiu , só que algumas coisas ainda me incomoda , seria isso tudo paranoia por conta de meus envolvimentos com essa religião ou será que tudo e realmente realidade ?

Se copiar colocar devidos créditos , na boa em ;* 
http://horrorurbano.blogspot.com/ 
Escrita por : Glaucow Maciel Freitas

28 de outubro de 2017

Phineas e Ferb - A Teoria



Olá pessoal, tudo bem? Esse dias eu estava navegando na internet e achei um textinho aonde dizia que o famoso desenho chamado "Phineas e Ferb" é uma história real. Como isso me chamou atenção, resolvi pesquisar e encontrei um texto maior, porém ele foi traduzido no google tradutor e foi bastante difícil de entender. Como eu sou boazinha, eu arrumei o texto e facilitei ele para a leitura. E agora, confiram a verdadeira história:

"No ano de 1993 em uma casa humilde, viveu uma garota chamada Candace Flynn, que tinha esquizofrenia. Quando Candace era apenas uma criança, seus pais se divorciaram, deixando aos cuidados da sua mãe que nunca foi de dar muita atenção a ela. Ao nascer seu irmão Phineas, que sofre de hiperatividade e Ferb seu meio-irmão, que nasceu com um caso grave de retardo mental, que entre outras coisas o impede de falar, as coisas foram de mal a pior para o desenvolvimento de Candace, fora a sua imaginação... a jovem sempre imaginava seus irmãos construindo “coisas” e vivendo grandes aventuras. Durando o dia, Candace dizia a sua mãe sobre “as grandes aventuras que seus irmãos viviam” e é claro que a mãe da jovem não via nada. Preocupada com isso, a mãe vai para um especialista, o psiquiatra Heinz Doofenshmirtz, que deu remédios fortes para Candace tomar; com esses medicamentos psiquiátricos que foram destinados para acalmar a jovem, só pioraram e isso levou a um vício crescente que a introduziu a experimentar drogas mais pesadas a cada vez.


 A garota, cansada de que ninguém acreditava que suas histórias sobre os seus irmãos fossem reais, decide escrever em um diário tudo que acontecia na vida dos seus irmãos... nas suas criações e aventuras. Em 2007, Candace Flynn, de 14 anos é encontrada morta em seu quarto, juntamente com uma nota de suicídio escrita na última página de seu diário; de acordo com médicos legistas, Candace morreu de uma overdose intencional de várias drogas. Até o final de 2007, a mãe de Candace aflita com tudo, decide vender essa história(que estava no diário), para o Disney Channel, que mostra interesse na compra e em 01 de fevereiro de 2008, uma história distorcida e reforçada chamada de "Phineas e Ferb" estréia mundialmente e é adorado por todos, que sem saberem a  verdade, passam horas na frente da TV assistindo essa doce história feliz."

Essa é Candace

Essa é Greer Flynn(Linda)

Ao que tudo indica, o garoto no colo seria Phineas, o outro menino seria Ferb e a mulher seria Greer (não sei ao certo se os nomes deles eram esses mesmos, só sei sobre Greer).


Historia de não minha autoria ;*
http://www.estanteparalela.com/2013/04/disney-verdadeira-historia-de-phineas-e.html

25 de outubro de 2017

A Trágica história de Vladimir Komarov



Os detalhes estão na obra "Starman The Truth behind the Legend of Yuri Gagarin" (Homem das Estrelas: A Verdade por Trás da Lenda de Yuri Gararin), de Piers Bizony e Jamie Doran. O livro se baseia nos relatos do analista de segurança nacional Perry Fellwock, que atesta que o posto norte-americano de escuta na Turquia ouviu os gritos de raiva de Komarov no dia do desastre da missão Soyuz 1, em 24 de abril de 1967.

Há muitos muitos anos atrás dois cosmonautas russos, conheceram-se e tornaram-se bons amigos, eles eram Yuri e Vladimir. Tudo corria bem até que um dia, o líder da URSS, Leonid Brejnev, decidiu que seria boa ideia, encenar um encontro entre duas naves espaciais soviéticas, no espaço. A ideia era mostrar aos americanos como se faziam voos espaciais. Assim a Soyuz I iria levar um cosmonauta para órbita perto da Terra e uma segunda nave espacial seria lançada com outro cosmonauta a bordo. Os dois homens iriam trocar de lugar e o primeiro cosmonauta iria voltar à Terra na nave do segundo cosmonauta.

O que poderia correr mal?
Tudo.

Destroços da Soyuz I

Vários técnicos inspeccionaram a Soyuz I antes do lançamento e encontraram nada mais que 203 problemas estruturais. Claramente, a missão devia ser adiada, pois a probabilidade do cosmonauta regressar vivo eram ínfimas. O escolhido para a malfadada missão foi Vladimir e o seu amigo Yuri foi escolhido para suplente. Não querendo ver o seu amigo morrer, Yuri escreveu um memorando de 10 páginas para Brezhnev e deu a um amigo no KGB. Yuri era um tesouro nacional, uma celebridade, certamente que aqueles que possuíam poder iam ouvir as suas preocupações. Mas o memorando nunca chegou a Brezhnev. Ninguém queria ser o mensageiro das más notícias. Como Krulwich observa: “Toda a gente que viu esse memorando … foi despromovido, demitido, ou enviado para a Sibéria.” Incluindo o agente da KGB (Russayev) que tentou transmitir o memorando de Yuri. Russayev, perguntou a Vladimir porque não se recusava a realizar a missão. Ao que Vladimir respondeu: que se ele se afastasse, o seu substituto seria lançado para uma morte quase certa e que esse suplente era o seu grande amigo Yuri. “Ele vai morrer em vez de mim”, disse ele. “Nós temos que cuidar dele.” E dito isto, explodiu em lágrimas, sabendo que assim estava a sacrificar-se a si mesmo.




Yuri Gagarin e Vladmir Komarov


Descida para a morte

A missão não foi fácil desde o seu lançamento do Cazaquistão, no dia 23 de abril de 1967. Mais tarde, a situação piorou, com quase todos os principais sistemas sem respostas. Em sua descida à Terra, Komarov não tinha controle aparente sobre seu voo e partiu para a morte certa em Oblast de Oremburgo, na Rússia. Tornou-se o primeiro homem a morrer a bordo de uma missão espacial. Em sua descida, amaldiçoou seus chefes por mandá-lo para esta missão.

Yuri Gagarin, que certamente não se recuperou da perda do melhor amigo, morreu no ano seguinte, em um acidente de avião, em 27 de março de 1968.
Aparentemente Yuri apareceu naquele dia fatídico, de 23 de Abril de 1967, e exigiu ser ele a realizar o voo, mas foi recusado. O lançamento ocorreu de acordo com o planeado, com Vladimir bordo. De facto as várias avarias mostraram-se fatais. Krulwich escreveu:

“Assim, há um astronauta no espaço, girando à volta da Terra, convencido de que nunca vai conseguir voltar a Terra. Vladimir está ao telefone com Alexsei Kosygin – um alto funcionário da União Soviética – que também está a chorar porque, também ele, acha que o cosmonauta Vladimir vai morrer. O veículo espacial pobremente construído, está a ficar perigosamente sem combustível e o pára-quedas não funciona, o cosmonauta … está prestes a, literalmente, despenhar-se a toda a velocidade contra a terra, enquanto o seu corpo derrete com o impacto. Enquanto ele dirige-se para o sacrifício, os postos de escuta dos EUA, na Turquia ouvem-no chorar de raiva, amaldiçoando aqueles que o colocaram dentro daquela terrível nave espacial. ”


Tudo o que sobrou de Vladimir Komarov foi um osso do calcanhar e uma massa de restos calcinados. Mesmo assim, o funeral de Estado foi de caixão aberto (como se pode ver pela foto).


Ultima transmissão realizada por Komarov abordo da Soyuz I, na transmissão ele amaldiçoa todos seus superiores que o colocaram para a missão suicida. 



Documentário Russo mostrando o exato momento do impacto. 




FONTES: 
https://seuhistory.com/noticias/analista-dos-eua-revela-como-cosmonauta-xingou-superiores-antes-de-morrer-em-missao-em-1967
http://www.astropt.org/2011/03/28/a-tragica-historia-de-vladimir-komarov/



22 de outubro de 2017

O Curioso caso de Ignácio Torres





Em Guadalajara, México, conta-se a história de que a família Torres Altamirano tinha um filho que supostamente teria nascido possuído pelo demônio, os médicos ficaram assustados porque nunca haviam visto algum caso semelhante durante toda a sua carreira. Na verdade o menino tinha muito medo do escuro e de lugares fechados, quando ficava sozinho no seu quarto durante a noite ele chorava muito. Por esse motivo o menino tinha que dormir com as velas de seu quarto acesas e com as janelas abertas, seus pais não podiam pôr no seu quarto qualquer objeto que produzisse sombra para não assustá-lo. Uma noite, um vento muito forte entrou pela janela e apagou as velas do cômodo deixando Ignácio no escuro total, este gritou e chorou. Quando amanheceu seus pais encontraram-no morto, ele ficara com tanto medo que teve um infarto e veio a falecer. Dizem que Ignácio faleceu exatamente quando completou um ano, sua família velou seu corpo e ele foi sepultado em um cemitério local, o Panteón de Belén. Foi uma cerimônia bem íntima, pois antigamente pouca gente assistia enterros de crianças. No dia seguinte o guarda noturno do cemitério procurou as autoridades afirmando que haviam desenterrado o cadáver de Ignácio Torres Altamirano porque ele o encontrou sobre sua lápide, assim colocaram-no de volta em seu lugar, porém, o mesmo aconteceu por dez dias consecutivos o que reunia várias pessoas para assistirem ao espetáculo pela manhã. A situação incomodava a família Altamirano até que o vigia foi falar com eles que acabaram comentando sobre o mal que afligia seu filho quando vivo. Assim a família mandou construir um caixão de pedra com três fendas em sua superfície para que entrasse os raios do sol e a luz da lua, desse jeito o menino não ficaria no escuro e jamais voltaria a sair se seu túmulo. Várias pessoas que visitam o Panteón de Belén dizem que sentem a presença do menino e por isso deixam brinquedos em sua tumba para mantê-lo "ocupado" e não as assustarem.



Horror Urbano.

19 de outubro de 2017

O Assassinato de James Bulger (22 Anos Depois)


James Bulger

James Patrick Bulger estava a semanas de completar três anos e estava num shopping de Liverpool com sua mãe. Dois meninos, Jon Venables e Robert Thompson, ambos de 10 anos, sequestraram, torturaram e mataram James. Seu corpo foi encontrado dois dias depois.

Robert Thompson e Jon Venables pressos 

James era filho único. Sua mãe o descreveu como uma criança alegre e de sorriso contagiante. Fazia todos a sua volta sorrirem com suas frases e brincadeiras. Dois anos depois do incidente, Denise e Ralph se separaram.

Era uma sexta feira, em 12 de fevereiro de 1993. Sua mãe, Denise, foi ao New Strand Shopping Centre, em Liverpool na Inglaterra. Ao entrar em uma loja, ela se distrai. Nesse momento, dois meninos que estavam do lado de fora, percebem James brincando sozinho e o atraem para longe dela.

Câmeras de segurança flagraram o momento em que os dois meninos se aproximaram de James e saíram de mãos dadas com ele. Venables e Thompson levaram James até um canal a 4 quilômetros do shopping. Lá, os meninos o empurraram no chão. James machucou a cabeça e o rosto. Continuaram andando pela cidade.

Câmera flagra os assassinos já em posse da vitima 

Nesse trajeto, eles foram vistos por 38 pessoas que assumiram que os três eram irmãos. Quem parou para perguntar recebeu a resposta de que eles estavam voltando para casa ou que eles estavam levando o menino para a polícia.

Eventualmente, chegaram ao vilarejo de Walton, a 40 minutos de caminhada do shopping. Ao chegarem lá, os meninos avistaram um posto policial e ficaram com medo. Avançaram mais um pouco até a estação de trem Walton & Anfield que estava em desuso. Ali torturaram James.

Jogaram tinta azul, roubada de uma loja no caminho, nos olhos de James, chutaram-no, bateram-no e ainda jogaram pedras e tijolos no menino. Pilhas foram encontradas em sua boca.

Para finalizar os momentos de horror de James, Venables e Thompson atiraram uma barra de ferro de aproximadamente 10 quilos sobre sua cabeça. No total foram 42 lesões e eram tantas, que nenhuma pode ser constatada como a fatal.

Não satisfeitos, os meninos amarraram o corpo de James no trilho de trem próximo para tentar fazer parecer um acidente. Quando o trem passou, seu corpo foi cortado ao meio. Dois dias depois, seu corpo foi encontrado por crianças que brincavam por ali.

Tumulo de James Bulger

Os suspeitos foram presos após Venables ser reconhecido por uma mulher.
Em novembro, Jon Venables e Robert Thompson foram considerados culpados do assassinato de James Bulger. Eles são os assassinos mais jovens da história a serem condenados. A pena era de que eles ficariam presos até a maioridade e depois seriam soltos com novas identidades, assim como suas famílias.

Quando completaram 18 anos, o governo lhes concedeu nova identidade e nova moradia. Pouco se sabe deles desde então. Apenas que Venables teve problemas com a justiça sob denúncia de pornografia infantil.

Os pais de James casaram-se novamente e tiveram outros filhos. Denise, hoje Fergus, criou o James Bulger Memorial Trust que ajuda crianças que foram vitimas de algum tipo de violência e dá assistência para seus familiares.

22 Anos da Morte De James Bulger

Ralph Bulger, pai de James, ao lado do tumulo do filho.
A morte do garoto acabou com o casamento de Ralph e Denise, mãe de James.

De acordo com Blake Morrison , que estudou o caso no livro “As If” , o assassinato e os eventos subsequentes “envergonharam” a Inglaterra aos olhos do mundo – não devido ao assassinato em si, mas por causa do circo midiático , do processo judicial, da inabilidade dos garotos de instruir seus advogados e a oposição publica á possibilidade que eles fossem reabilitados.”

Vinte anos depois o caso continua fresco não só na memoria da Inglaterra mais de todo mundo.

Venables e Thompson ficaram detidos por oito anos e foram soltos em 2001, com novas identidades. Em 2010, Venables voltou a prisão após ser pego com pornografia infantil em seu computador, saindo novamente em meados de 2014. No começo deste mês, a imprensa britânica noticiou que Venables criou um perfil em uma rede social e estava a procura de uma namorada. Devido as leis britânicas , o novo nome de Venables na rede social não pode ser divulgado. Estes dias a mãe de Venables, Denis Fergus postou uma mensagem no Twitter e no Facebook lembrando o aniversario de 22 anos da morte do filho.


Please share this heart felt message from Denise…
“Never trought that this time 22 yrs ago I would be hugging and kissing good night to my baby for the last time, miss him so much #James”

“Nunca pensei que a esta hora 22 anos atrás eu estaria abraçando e beijando meu bebe pela ultima vez, sinto muita falta dele #James”


Hoje James teria 24 anos se estivesse vivo.

FONTE: 
https://maringapost.com.br/ahduvido/o-assassinato-de-james-bulger-por-dois-garotos-de-10-anos/
http://oaprendizverde.com.br/2015/02/12/22-anos-da-morte-de-james-bulger/


16 de outubro de 2017

9# Joseph Kallinger - 1936 - 1996 (Psicopatas, Maniacos, Assassinos)


Incitado a matar por uma cabeça imaginaria, roubava casas e ainda torturava suas vitimas. Nasceu na Filadélfia em 1936 e antes de completar 2 anos, foi adotado por Stephen e Anna Kallinger costumavam castiga-lo usando desde golpes de cinta até marteladas. Com isso, aos 6 anos, teve que operar de hérnia na coluna. Seus pais lhe disseram que seu pênis também tinha sido operado para que ficasse pequeno e não funcionasse (uma mentira).

Filho único, Kallinger não tinha amigos e passava a maior parte do tempo ajudando os pais adotivos na sapataria da família. Em 1944, aos 8 anos, sofreu abuso sexual de um grupo de meninos mais velhos armados com faca. Essa agressão foi tão traumática que futuramente ele só conseguiria manter uma ereção segurando uma faca.

Aos 17 anos, casou com sua namorada, Hilda, e teve dois filhos, mas a união durou apenas três anos. Em 1958, casou de novo, após sair de um hospital psiquiátrico. Neste relacionamento teve cinco filhos Joseph Jr, Mary Jo, Michael, James e Bonnie. Extremamente abusivo Kallinger costumava aplicar neles os mesmos castigos que tinha sofrido em sua infância. Em 1972 foi denunciado por três de seus filhos e cumpriu pena de quatro meses, Mary Jo revelou que era amarrada e queimada nas nádegas com uma espátula quente, enquanto Joseph e Michael disseram que foram espancados com cabo de martelo e tiras de couro. Na prisão Kallinger foi diagnosticado com esquizofrenia paranoica.

Acreditando ter recebido a missão divina de salvar a humanidade, Kallinger começou a se comunicar com Charlie, uma cabeça imaginaria que lhe ordenava matar. Em julho de 1974, com ajuda do filho Michael, então com 13 anos, ele fez sua primeira vitima: Jose Collazo, um menino de 10 anos, foi morto a facadas e teve seu pênis arrancado. Poucas semanas depois, a segunda vitima: o próprio filho Joseph Jr. Com a justificativa de tirar fotografias, Kallinger e Michael o levaram em um prédio abandonado. La o amarraram em uma escada de obras e o jogaram em uma área inundada, onde morreu afogado. Pai e filho iniciaram uma onda de assaltos em diversas cidades a partir de 1974. Os dois passavam por vendedores e forçavam a entrada. Armados com facas e um revólver, rendiam e amarravam as vitimas as roubando. Torturaram quatro famílias. Duas vitimas foram obrigadas a fazer sexo oral em Kallinger e outra levou uma facada.

Em Janeiro de 1975, a dupla realizou um assalto a uma casa lotada. A enfermeira Marja Fasching, de 21 anos foi morta a facadas por rejeitar a ordem de cortar com os dentes o pênis de uma das vitimas. Na fuga, Kallinger desfez-se da sua camisa manchada de sangue. A roupa foi encontrada e o conectou ao crime. Em poucos dias a policia foi à casa de Michael. Os investigadores descobriram um buraco na parede que fazia divisa com a residência do lado. Lá encontraram Kallinger no telefone com seu advogado. Ele foi detido, enfrentou dois julgamentos e foi condenado à prisão perpetua. Já Michael foi sentenciado a ficar em liberdade condicional até os 25 anos. Kallinger tentou suicídio diversas vezes na prisão. Em uma, sufocou-se com a capa plástica de um colchão. Em outra colocou fogo no próprio corpo com liquido de isqueiro. Foi transferido para um hospital psiquiátrico e depois para uma prisão para criminosos insanos. Lá, tentou matar um detento. Em seus últimos anos passou na solitária sob vigilância de suicídio.


Que fim levou? Morreu na prisão em 26 de Março de 1996, aos 59 anos, de parada cardiorrespiratória. Michael foi para o reformatório e ganhou pais adotivos.

FONTE: Coleção Mundo Estranho, Psicopatas, Maníacos e Assassinos , Editora Abril. 

13 de outubro de 2017

A Mula



Todos de minha família estavam curtindo as ferias em um sitio de meu avo em uma roça de Ipanema, era um lugar calmo e sossegado todos estavam divertindo muito e aproveitando cada minuto de descanso e sossego. Certo dia meus tios e meu avo juntaram para caçar tatu, rapidamente juntaram alguns apetrechos e pegaram os cachorros e se enfiaram mata adentro, eu como neto mais velho fui junto para poder ajudar, mas sem nenhuma experiência, era mata fechada e quase não se via um metro de sua frente sem topar com alguma arvore, meu avo já muito experiente armou algumas armadilhas e pediu para tomar cuidado que era muito perigoso. De repente escuto um barulho no mato algo correndo muito rápido, não conseguia ver por que era realmente muito rápido era um vulto uma espécie de clarão, o cachorro que com nos estava após sair correndo atrás da criatura voltou correndo em nossa direção chorando com se algo o ameaçasse, estava com algumas marcas de queimado, meu avo assustado parecia já saber com o que estava lidando rapidamente juntos as tralhas e voltamos para casa. Sem sucesso na caçada, na madrugada todos em volta de uma fogueira meu avo começou a contar casos lendas para todos nos, começou então a falar da famosa mula sem cabeça, eu e meu irmão na época muito céticos começamos a rir de meu avo, ele não gostou nada e falou para não fazermos isso que era algo realmente serio, mas não me importei simplesmente parei de rir por respeito. Naquela noite foi difícil dormir, em volta da casa algo fazia muito barulho, escutava barulhos de relincho e coices por toda parte, era assustador o mais estranho era que parecia que ninguém mais escutava, todos dormiam feito pedra eu estava atormentado, resolvi então ir ao banheiro, como estava na roça o banheiro era apenas uma fossa no meio do mato, fui então para o mato com o coração na mão, ao abrir a porta me deparo com algo que realmente me assustou, uma mulher linda loira chorava e parecia gritar, mas som algum saia de sua boca, fiquei em estado de choque não conseguia me mexer nem se quer falar, estava muito assustado, algo me deixou ainda mais espantado a cabeça da mulher cai de seu pescoço, aquilo fez com que meus olhos enchessem de água, parecia que ia enfarta ali mesmo, aquela criatura começou a correr com sangue escorrendo por seu corpo, quando menos espero e me distraio a criatura some deixando apenas pegadas de casco de cavalo e de longe avisto um clarão, algo que parecia queimar sem parar. Voltei para cama correndo e tentei dormir, já estava chegando o dia, de manha meu tio estava tirando leite fui ate ele e pedi desculpas por não acreditar nele, ele perguntou o que havia acontecido e então o contei não se surpreendeu então me mandou sentar do seu lado e contou para mim o que aconteceu por ali... Contou meu tio que há muito tempo naquele lugar morava uma mulher muito bonita cujo marido a tratava muito mal, a mulher saia de sua casa com marcas de roxo por todo corpo, só que ninguém amolava o tal homem, pois dizia ser um dos caras mais bravos daquele lugar. Certo dia o cara chegou em casa bêbado e começou a bater em sua esposa a chamando de mula, falando que ela não prestava para nada apenas para satisfazer seus desejos, o cara bateu tanto na mulher que ela acabou falecendo o homem então arrancou sua cabeça do resto do corpo, enterrou o corpo e jogou a cabeça no fundo de sua casa, todas as noites o valentão escutava barulhos de coices em sua porta e relincho por volta da casa , quando ia olhar o que era assustava com as labaredas de fogo jorradas pela mula . Em um destes dia escutaram um choro vindo de seu quintal e foi ver o que era , quando abriu a porta assustou ao ver que era a sua esposa sem a cabeça chorando , e dizendo a mula aqui quer sua cabeça de volta, ela avançou para cima do homem e o matou com coices violentos em todo seu corpo , a assombração vira e mexe volta pelas redondezas, dando o ar da graça aos desavizados.

BY:Glaucow M Freitas
BLOG:http://horrorurbano.blogspot.com/
Se Copiar Favor Colocar Devidos Creditos : EU !!

11 de outubro de 2017

Beginnt, ende, anfang! ( O que está acontecendo ? )




Então vi subir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia.
Apocalipse - Capítulo 13 - Versículo 1





Nome mantido em sigilo por isso escrito na primeira pessoa 
A única coisa que me lembro e de me deitar, eram exatas 21:00H e estava muito cansado , apaguei rapidamente até ai tudo bem , mais o que sonhei me deixou no mínimo intrigado .Estava sentado em meu sofá vendo TV quando de repente apareceu o plantão de noticias, ao acabar a vinheta apareceu uma imagem de muita gente morta eram milhares de corpos caídos por todo lado, aquilo era assustador a imagem me deixou perplexo, tentei mudar o canal, mas todos passavam a mesma imagem, foi quando uma musica começou a tocar no fundo era uma musica estranha como um réquiem fúnebre, aquilo fez com que eu me levantasse do sofá , soava frio e tremia , tomei um copo de água e fui ate o portão, ao chegar lá notei que a cidade estava deserta e minha rua sempre foi muito movimentada  por isso achei estranho , fui então ate o quarto e deitei na minha cama e apaguei . Quando dei por mim estava acordado, ou estaria sonhando novamente? Repeti os mesmos passos só que desta vez no lugar do plantão estava passando um telejornal famoso do qual não citarei o nome e o ancora dava uma matéria sobre pessoas mortas, e falava sobre tal de “Saint Day”, foi quando no meio da noticia ele disse “alle den atem anhalten” naquele exato momento minha respiração parou, não conseguia aspirar nem expirar o ar, meus pulmões doíam e estava prestes a explodir, já agonizava quando ele disse “beginnt wieder” ofegante o ar saiu e entrou automaticamente em meus pulmões, isso me deixou intrigado e afoito e algo me chamou para fora de casa , alguma força me impulsionava , ao chegar lá me deparo com um monte de gente caída na rua todas aparentemente mortas , várias cobertas de larvas , outras serenas e limpas , andava por corpos que estavam por toda parte , parei e notei que meus olhos lacrimejavam ou melhor sangravam , era sangue que saia de meus olhos quando uma voz bem alto disse “nun, aufhören zu atmen”. Neste momento dei um pulo da cama ao levantar automaticamente fui ate a janela que dava para o quintal a abri e notei no fundo uma criança com uma farda alemã ( pela suástica)  da segunda guerra mundial , olhei para o céu e por minutos fiquei paralisado em transe, acordei alguns minutos depois . Acabará de acordado de um dos pesadelos mais estranhos de minha vida, não sei explicar de fato o que aconteceu e tenho ate medo de descobrir, mais isso aconteceu mesmo, acreditem se quiser.
 Ass: Glaucow M Freitas

Se copiar colocar devidos créditos , obrigado =*
Blog: http://horrorurbano.blogspot.com.br/

9 de outubro de 2017

O Carnaval - Espíritos


Era carnaval é um de meus amigos tinha arrumado uma casa para podermos passar a temporada de carnaval em uma cidade em que a festa e muito boa e de grande tradição, a casa pertencia a seu falecido bisavó e sua falecida bisavô. A casa era enorme ao chegarmos assustamos com o seu tamanho, sem falar na arquitetura antiga e quadros de familiares antigos que realmente eram assustadores não só pelo fato de a maioria já estar mortos, mas sim porque qualquer quadro antigo empoeirado em uma casa muito estranha fica realmente aterrorizante. Já era noite arrumamos para podermos ir para festa é fomos, nos divertirmos muito e a noite foi longa. Chegamos a casa quase pela manha e ao chegarmos levamos um susto, a mesa de café da manha estava posta, então perguntamos quem poderia ter feito aquilo a princípio meu amigo "dono da casa" pensou que podia ser sua tia que morava a dois quarteirões da vizinhança que resolvera fazer tal agrado, então tomamos o café e fomos cochilar um pouco, no meio da manha todos dormiam quando escuto passos pela casa e uma voz nada familiar dizendo o almoço esta pronto, imediatamente levantei assustado e fui procurar pelo dono da voz só que nada vi a não ser uma mesa repleta de comida, fiquei assustado e resolvi chamar Otávio que era o sobrinho dos donos da casa, ele então falou que era para relaxar e “rangar” e disse que era sua tia novamente, eu particularmente achei muito estranho pois levantei no mesmo instante que escutei a voz e não vi ninguém, porem comemos e fomos ao supermercado comprar bebidas para a noite e mantimentos para nossa estadia, deixando apenas Hugo na casa, pois não estava se sentindo bem (ressaca). Ao voltarmos para casa encontramos Hugo olhando para um dos quadros como se estivesse hipnotizado e ao perguntarmos o que tinha acontecido ele disse que o retrato havia piscado para ele e estava o seguindo com o olhar e que tinha visto uma menina correndo pela casa rindo, então começamos a rir de Hugo e a zombar do retrato que por sinal era muito estranho, falamos que ele estava ficando louco e era para ele parar de beber, ele deixou de lado e foi tomar banho e logo após ele as outras pessoas, eu fiquei por ultimo por que estava arrumando as bebidas na caixa de isopor, todos estavam prontos menos eu, falaram em me esperar só que falei que podiam ir por que iria demorar um pouco.



 Neste instante todos foram para a festa e fui pegar minha toalha e minha roupa para tomar banho, indo em direção ao banheiro notei um vulto no corredor indo para a direção oposta passou me deixando pasmo, fiquei assustado, mas continuei meu caminho ao aproximar da porta notei um cantarolar vindo do banheiro, era uma musica que nunca tinha escutado parecia algo realmente dos anos 60, ao chegar à porta do banheiro notei que ela estava fechada e a luz estava acessa pensei que podia ser um dos meninos que tinha feito isso só para me assustar, ao abrir a porta do banheiro me assustei com o que vi parecia estar vivendo uma especia de "flashback" algo muito estranho o banheiro era enorme e nele tinha uma banheira e dentro uma mulher que não sabia quem era tomando banho, fiquei em estado de choque e não conseguia me mover fiquei ali parado olhando para aquilo, a mulher levantou como se nada tivesse acontecido e como se não estivesse me vendo, passou por mim me ignorando, de repente ela sumiu no meio do corredor ao olhar para o banheiro novamente notei que a banheira também tinha sumido e no lugar dela apenas uma mancha de sangue no lugar exato onde estava a banheira. 

Me arrumei correndo e fui para a festa ao passar pela sala uma coisa me chamou a atenção um dos quadros tinha exatamente a pintura da mulher que antes estava na banheira, sai correndo do local e contei o que tinha visto para Otávio só que ele falou que eu estava louco ao explicar a banheira ele olhou pra mim como se estivesse duvidando de mim, dizendo que aquilo era impossível então perguntei por que, então ele disse que sua bisavô tinha morrido na tal banheira afogada e que após isso teriam demolido a banheira, ele estava assustado e não queria acreditar em mim, mas era inevitável fomos todos para a casa. Ao chegarmos em casa deparamos com sua tia e aproveitamos para perguntar sobre o café da manha e sobre o almoço se ela tinha feito aquilo foi quando ficamos assustados com a resposta Mirian disse que não tinha ido a casa desde que chegamos lá, ficamos perplexos e assustados tomamos café e comemos um almoço, de quem? Imediatamente juntamos nossas coisas e saímos do lugar, dizem que ate hoje os fantasmas das pessoas que antigamente viviam na casa, rondam o lugar e servem bem seus convidados.

Por:Glaucow Freitas
BLOG :http://horrorurbano.blogspot.com/

6 de outubro de 2017

O Baile da Meia Noite



A história conta que uma jovem, da cidade Arapicara/AL na década dos anos 80, foi para um baile, e lá conheceu um rapaz, bonito, respeitoso e solteiro. No entanto ela achou que ele seria o rapaz ideal para namorar e quem sabe até casar. A hora passou e a noite também, tudo ia bem até certo tempo, chegava às 12 horas, e com ela vinha à impaciência do jovem, que demonstrava uma preocupação terrível. Naquele momento a jovem percebeu que havia algo de errado com o jovem, mas continuaram a dançar. Quando ele olhou para o relógio e viu que eram 11:59hrs, ele ficou quase louco, e saiu do baile sem dizer o porquê da tal atitude, ela como uma pessoa de bom senso, o seguiu e rindo fazia brincadeiras inocentes, ele tava transtornado, chorava e só dizia a seguinte frase," não foi minha culpa, não foi minha culpa", ela não entendia nada, mas continuo clamando ele. As 12 passaram, e o frio da madrugada, chegava, ele como um cavalheiro emprestou o seu capote. A relação entre os dois tava dando quase tudo certo. Ela pediu para ele, que fizesse companhia até a sua casa, e assim ele fez. A chegar a seu portão, ela entrou e esqueceu de devolver o seu capote, se realmente foi um esquecimento não se se sabe, pois poderia ser mais pretexto para torná-lo a vê-lo novamente. E assim ela fez, saiu na cidade buscando informações sobre jovem desconhecido que tinha conquistado a pobre jovem inocente. O rapaz que ela sonhou, o cara que poderia ser o pai dos seus filhos, mas nada ela encontrava, achava até que o povo estava com inveja. Pois ela não sabia do que estava por vir, passando por uma casa viu uma janela no 2º andar, e imaginem que estava na janela olhando para rua?! Isso mesmo “O jovem de ontem à noite, e ela foi até a porta toda alegre e contente, em pensamento dizendo” Meu deus eu vou torná-lo a vê-lo novamente. “chegando à porta, antes que ela chama-se alguém, alguém abriu e saiu com uma caixa cheia de objetos pessoais, um senhor na faixa de 48 anos meio magro e cabelos meios grisalhos, chorando muito nem notou que tinha alguém na porta, até a vizinha gritar e dizendo: seu Emanuel tem alguém que estar ai querendo falar com o senhor. Ai a jovem se aproximou e disse: O senhor conhece o Samuel? O senhor com tom de raiva a responde: Que porcaria de brincadeira é essa?! E continuou a reclamar com a jovem, dizendo: Se eu fosse seu pai, teria vergonha de você,uma pessoa sem sentimentos, sem coração, sem respeito e ainda vêem em minha casa, com um capote idêntico ao que meu filho faleceu! A jovem não acreditou e surtou no momento, ficou completamente em choque, não falava, não ouvia apenas acreditava que tudo aquilo poderia ter sido um sonho, mas tinha um pequeno detalhe que não deixava mais confusa,” O CAPOTE” Ela parou e desmaiou, o pai do jovem a segurou e levou para dentro da casa onde o jovem tinha passado bons momentos de sua vida. Quando ela acordou, ela perguntou novamente o que estava acontecendo, e pediu para subir até o quarto, pois tinha visto ele na janela antes de falar com o pai do rapaz, e teve a permissão, e quando abriu a a porta quarto, estava tudo normal, fotos dele, mas em especial uma foto, uma foto com o capote, fotos os amigos que também tinham falecidos juntos no então acidente.
Alguns dizem que ela nunca mais voltou a ser a mesma, outros diz que ela cometeu suicídio, outros diz que ela espera aquela mesma data para puder revê-lo, enfim você quando for dançar tome cuidado, pois a dança talvez você nunca mais volte ser a mesma!


Historia de não minha autoria
( ESCRITA POR : Gilberto - MAGÃO )

https://www.facebook.com/magao.produtor

3 de outubro de 2017

O Espírito do Meu Avô


Quando era jovem meu avô morava comigo e meus pais , ele já estava de idade e meu pai que era seu filho o chamou para ficar conosco , pois estava sobre cuidados especiais  por estar bastante debilitado .Certo dia estava no computador e meu avô estava no sofá deitado lendo o jornal como todos os dias normais , ele sempre seguia desta forma era como um ritual ler seu jornal enquanto fumava seu charuto, infelizmente neste dia meu avô faleceu ali mesmo deitado no sofá , custei a perceber , estava sozinho em casa e muito distraído no computador , fiquei para tomar conta dele , ele estava tranquilamente no sofá e não notei nada , foi quando o tempo passou e meus pais chegaram , foi então que percebi  que se passara 5h que meu avô estava deitado no sofá , meus pais aproximaram junto de mim e fomos checar e realmente ele estava já falecido . O “Velho Homem” morreu em paz , era a forma carinhosa pela qual o chamávamos , fiquei muito triste mais ele estava tranquilo, tinha cumprido sua meta no mundo e já tardava a descansar . Após a morte do meu avô as coisas não foram as mesmas , a falta que ele fazia era imensa , apesar de ser bem quieto e tranqüilo , vivia alegre e contando causos para nos e para a vizinhança . Certo dia estava no computador quando um cheiro de cigarro surgiu , aquilo me deixou com os cabelos arrepiados , pois eram cheiros de charutos , identifiquei facilmente , ate porque meu avô sempre os fumava ,o cheiro impregnou toda casa e ate meus pais notaram e ficaram assustados  , levantei e fui ate o sofá e em cima dele um jornal estava aberto com um charuto apagado em cima mas como se já estivesse sido usado , o jornal era do dia foi então perguntei meus pais se eles tinham pegado jornal , todos negaram  e isso me fez ficar super espantado mas ao mesmo tempo feliz , sentia todos os dias que meu avo ainda estava presente conosco  em nosso lar , tinha dias que sonhava com ele e sempre sentia o cheiro do charuto e o jornal  quase todos os dias estavam em cima do sofá todos estes dos dias atuais .

Ass:Glaucow Maciel Freitas
Se copiar colocar devidos créditos , Obrigado !
Horror Urbano