Novidades

26 de maio de 2017

Apaixonado pela Morte



Era Hallowen e todos em minha cidade sempre comemoravam esta data, eu não sei bem porque, mas sempre teve bailes e festa para comemorar a data. No ano de 2004 à festa ia ser em um clube e todos estavam dizendo que ia dar muita gente e que ia ficar muito bom mesmo, logo todos já estavam comprando os ingressos para poder ir à festa. A festa era a fantasia então todos empolgados estavam vestindo suas fantasias para irem. Estava realmente cheio o local uma quadra de futsal enorme e estava lotada, porem comportando bem a galera, cheguei e de cara encontrei uns amigos começamos a dançar e beber, por certo descuido perdi de meus amigos, mas nem estava ligando para isso afinal era Hallowen e a festa só estava começando. De longe avistei uma menina linda, eu me apaixonei só de olhar para ela, era realmente perfeita e parecia interessante, estava sozinha parecia perdida perto de uma das arquibancadas, me aproximei e começamos a conversa, confesso que quando cheguei perto me assustei com sua fantasia ela estava toda de branco com manchas vermelhas sobre o vestido e com algodão no nariz sujos de vermelho para parecer sangue, era pálida, com as pupilas dilatas como se estivesse assustada , mas me interessei mesmo assim algo nela me atraía , fiquei imaginando o que havia debaixo daquela maquiagem toda, após alguns minutos de papo resolvemos sair dali e fomos para um lugar mais calmo e resolvemos e começamos a nos beijar. A madrugada chegou e ela disse então que precisava ir embora, antes de ela virar as costas notei seu nariz sangrando , perguntei se precisava de ajuda, mas ela saiu correndo e desapareceu como se tivesse visto um fantasma, não me lembrei de pegar se quer o telefone daquela menina. Cheguei a minha casa, fui para o quarto e adormeci, sonhei com ela, só que o sonho foi um tanto quanto bizarro, no momento em que estávamos juntos seu nariz sangrava muito, ate que de repente sua cabeça se soltou do pescoço e rolou ainda com os olhos abertos que me encarava. Acordei assustado e muito ofegante, nunca mais vi esta garota, todos que pergunto dizem que não a conhecem e que nunca a viu, mas de uma coisa tenho certeza ela era realmente linda.

By:Glaucow Maciel Freitas
BLOG :http://horrorurbano.blogspot.com/


Se Copiar Colocar Os Devidos Créditos =]

25 de maio de 2017

1# Suzane Von Richthofen (Psicopatas, Maniacos e Assassinos)




A frieza da jovem que planejou o assassinato dos pais com requintes de crueldade e chocou o Brasil.

Nascida em uma família de classe alta paulistana, filha de uma psicóloga (Marisa) com um engenheiro (Manfred), Suzane viveu uma infância normal e recebeu ótima educação em casa e nas escolas que frequentou. Na época do crime cursava direito na PUC-SP. Em 1999, o interesse por aeromodelismo do irmão Andreas aproximou Suzane de Daniel Cravinhos- futuro namorado e um dos assassinos de seus pais. No inicio do namoro, os pais não se incomodaram , imaginando que o relacionamento seria algo passageiro.



 O comportamento obsessivo de Daniel, além de presentes e dos empréstimos da filha, passou a preocupar os pais. A má influencia ficou evidente quando a filha começou a se drogar usando maconha, ecstasy, éter e cola. Manfred e Marisa proibiram o namoro em maio de 2002. Na madrugada de 31 de outubro Suzane guiou Daniel e o cunhado, Cristian ao quarto dos pais, acendeu a luz e desceu para a biblioteca. Os irmãos cravinhos atacaram o casal com barras de ferro – Marisa resistiu e foi sufocada com uma toalha. O revolver de Manfred foi colocado ao lado de seu corpo, Suzane ficou a todo momento na biblioteca durante a execução, ajudou a recolher as barras ensanguentadas e mostrou a sangue frio para espalhar documentos pelo quarto, para simular um assalto e ajudada pelos Cravinhos , arrombou uma mala do pai, para levar R$ 8mil e US$ 5mil que estavam nela.


 Os namorados seguiram para o motel após deixar Cristian perto de casa. No depoimento inicial, o casal declarou que seu álibi seria ter passado junto a noite do crime. Mais tarde, com o irmão Andreas, Suzane fingiu surpresa ao saber do suposto assalto e telefonou para Daniel pedindo ajuda. Depois de simular sofrimento no enterro dos pais, Suzane confessou o crime e foi presa com os Cravinhos. O vaivém na prisão começou em junho de 2005, quando foi libertada pelo STJ. A garota deu entrevista na televisão passou férias no litoral paulista e voltou a ser presa em abril de 2006. Os Cravinhos e Suzane foram condenados em julho de 2006 , a cerca de 39 anos de prisão. Suzane cumpre pena no interior de São Paulo e, em 2014, casou com outra prisioneira.


FONTE: Coleção Mundo Estranho, Psicopatas, Maníacos e Assassinos , Editora Abril.

22 de maio de 2017

O Encarregado Fantasma




Em uma fabrica no Japão no ano de 1975 um encarregado da área de mecânica estava checando um equipamento quando teve a cabeça esmagada pelo mesmo.

 Era noite e o telefone de Oshyhiro tocou , era seu chefe que ligava , pois um problema tinha acontecido em um equipamento na fabrica Ayrikata, uma famosa fabrica de brinquedos infantis. O chefe de Oshyhiro pediu então para que fosse ate a fabrica dizendo que seria algo simples que era apenas para poder desligar o equipamento que na Segunda-Feira o reparo seria feito, já que não era nada emergencial. O funcionário se aprontou de imediato e foi ate a fabrica, chegando lá caminhou ate o equipamento, o observou de longe e antes de desligá-lo resolveu checar mais de perto, o mesmo  estava operando mais não estava 100% pois o movimento que fazia era diferente do tradicional , ao aproximar olhando por dentro de algumas partes do equipamento se descuidou por segundos do tempo de avanço das alavancas e sua cabeça fora esmagada, esse acidente ficou conhecido em todo Japão devido a forma que ocorreu e pelos fatores e historias que surgiram a partir deste. 

A fabrica até hoje funciona e o número de acidentes no equipamento e assustador considerando comparado a antes do ocorrido de 75.  Em média 70%  das pessoas que ali sofreram acidentes tiveram as cabeças prensadas pelo equipamento. Certo dia Hakashi trabalhava no local , distraído e contando as horas para poder ir embora escutou uma voz “ Psiiiu! Eiii ... tem como checar a parte da prensagem para mim ? Obrigado ... ” Hakashi vendo a maquina em movimento não se expôs e procurou primeiramente ver de onde vinha a voz, o mais estranho era que não tinha ninguém no local exceto o garoto que estava dobrando turno e já ia saindo, perplexo com a situação, relatou aos companheiros , alguns incrédulos não acreditaram em seu papo , agora a grande maioria dizem também ter escutado a estranha voz, disseram até que seria do encarregado que morreu no local a anos e que já fizera inúmeras vitimas ate então e estaria a procura de mais.

Os empregados que trabalham no turno da noite , dizem que ao passar próximo ao galpão escutam chiados e algumas palavras como “ Pssiiu! Aqui ! Eiii!” ao passarem direto conseguem então escutar um estrondo como se algo estivesse sendo esmagado ou prensado. Muitos  dizem que temem passar ali e que sentem algo estranho próximo ao local e se arrepiam a todo momento, uns dão volta ou apressam o passo para evitar este contato sobrenatural. Os que operam o equipamento no turno da noite , dizem sentir frio no local e que em alguns momentos e impossível ficar no local pois a temperatura cai assombrosamente, outros contam ate que várias vezes a maquina para de funcionar e começa a operar de maneira estranha e errada , neste momento geralmente escutam o chamado do encarregado fantasma . O motivo de isto estar acontecendo e surreal, muitos ligam o assombração ao motivo da morte que teria sido de uma maneira prematura para o jovem Oshyhiro que não consegue se descansar e ate hoje tenta de alguma forma reparar a maquina através de outros,  mesmo que esta opere normalmente, ou não .

Sé copiar colocar devidos créditos
Ass : Glaucow Maciel Freitas

Agradecimento :  Jaime Seiji Haguimoto

21 de maio de 2017

Triste Domingo (Suicídio)



Seja lá qual o motivo de ter vindo parar aqui fique sabendo que o suicídio é uma opção um tanto quanto falha e o sofrimento se perdura por tempos e que não vai ajudar ninguém a nada, se tem ou conheça quem tenha problemas depressivos, pensamentos suicidas e comportamentos estranhos procure ajuda, você não esta sozinho, agora somos amigos queira você sim ou não, salve-se, salve uma vida ... A culpa não é da vitima e você não esta sozinho. Valorize-se, valorize a vida disque 141.

Inicio a coluna desta semana falando sobre uma queixa bastante comum entre as pessoas, mais conhecida como “depressão de domingo”. Para exemplificar, transcrevo trecho de um internauta desesperado: “Prezados doutores, rogo-lhes que me ajudem ou me deem uma orientação. Sou bancário e sofro de ‘depressão de domingo’, e quem sofre disso sabe que, no domingo, a tristeza cresce em progressão geométrica conforme o dia vai passando. A tardinha cai e, às 17h, mais ou menos, quando tem futebol na televisão e os bares ficam cheios de cachaceiros vendo o jogo, a coisa fica crítica... uma característica comum é o calafrio que a música do ‘Fantástico’ dá, mas quando passa a vinheta final do programa e as letras começam a subir, é pra fechar o caixão. A angústia é enorme, um troço ruim por dentro dizendo que o fim de semana acabou e agora só resta ir pra cama dormir, porque a segunda-feira vai vir com tudo. Eu gostaria de saber dos doutores da categoria se ‘depressão de domingo’ tem tratamento, qual remédio a gente toma”. 
A palavra depressão provém do termo latim depressus, que significa abatido ou aterrado. Trata-se de um distúrbio emocional podendo traduzir-se num estado de abatimento e infelicidade. A depressão é uma entidade clínica reconhecida formada por um conjunto de sinais e sintomas, dentre eles o rebaixamento do estado do humor, porém, este deve persistir por duas semanas ou mais. Portanto, somente um dia com alteração no estado de humor não caracteriza depressão e, sim, um estado de ansiedade antecipatória e/ou angústia com os problemas que estão por vir como: levantar mais cedo, pagar as contas, tarefas a serem realizadas e prazos a serem cumpridos, levar as crianças para a escola... A pessoa já começa a sofrer por antecedência com tudo o que tem de ser feito logo no início da semana e, literalmente, perde os domingos de descanso.

Pensando nisso, coloco abaixo algumas dicas para que este estado de ansiedade e angústia não te pegue no domingo. Comece o dia lendo um bom jornal, como o Pampulha. Na publicação, você encontra uma série de programações para toda a família e para todos os gostos. Saia para dar uma caminhada, praticar algum exercício físico ao ar livre. Separe um tempo para ouvir suas musicas preferidas. Uma boa música libera endorfina e combate o mau humor.

Um almoço com familiares e amigos também é uma boa medida. Para os que gostam de praticar momentos de meditação, vá em frente. O mesmo vale para os que praticam algum tipo de religião. Os programas de TV devem ser evitados, pois não acrescentam nada em nível cultural e nem informativo (além disso, várias pessoas têm seus sintomas piorados com a voz do Faustão ou do Zeca Camargo, à noite). Se você está muito preocupado com os afazeres da segunda-feira, uma saída pode ser escrever o que tem de ser feito para organizar, sistematizar o dia. 

Você também pode antecipar alguma tarefa do dia seguinte, caso isso lhe traga tranquilidade. À noite, na hora de deitar, procure praticar a “higiene do sono”, assunto já abordado nesta coluna, que irá favorecer uma noite de sono repousante para acordar bem disposto e enfrentar a semana que se inicia.





Comodismo clássico de Domingo 

Domingo pode gerar uma sensação desagradável de fim de felicidade. Em 1969, o Minnesota State Hospital, nos Estados Unidos, descobriu que, nesse dia, algumas pessoas têm falta de entusiasmo semelhante à dos pacientes com depressão. Mas o culpado não é o domingo. É a segunda-feira. “As pessoas tendem a preferir sexta a domingo porque na sexta nós vemos o fim de semana que chegará e no domingo a única coisa em que pensamos é na semana de trabalho”, disse a neurocientista americana Tali Sharot no fórum de tendências TED. Ou seja, é uma questão de antecipação. E, assim, a culpa pode recair em tudo que envolve domingo: programas da TV, lojas fechadas na rua etc. Claudio Martins, da Associação Brasileira de Psiquiatria, diz que pessoas que sofrem com mudança de rotina ficam perdidas ao ter que preencher o domingo. “Gente sem um núcleo afetivo estabelecido, familiar ou amoroso, sente um vazio”, explica. Já os que gostam do trabalho ou têm um bom relacionamento afetivo e se divertem com os amigos tendem a gostar mais de domingo.

Você sabia ?

Três assuntos para o seu próximo almoço de domingo.

O dIa mais chato da história...

...Foi 11 de abril de 1954 (quem leu a seção Ciência Maluca de maio sabia). Um programa cruzou 635 milhões de fatos históricos e constatou que nada relevante aconteceu nesse dia – um domingo.

Sunday, boring Sundae

O sundae foi criado por volta de 1880 em homenagem ao domingo (que, em inglês, é sunday). Diz a lenda que as crianças ganhavam o doce quando se comportavam na missa. 

Vídeocassetadas de novo!?

Domingo é o dia de maior audiência na TV. pensar no que fazer (parque ou cinema? praia ou shopping?) no dia de folga pode desgastar as pessoas, segundo o psicólogo Claudio Martins. Por isso, largar-se no sofá é tão tentador.




"Gloomy Sunday" - A Música do Suicídio

O compositor de Gloomy Sunday,
Rezso Seress.
Por Eklipse Nokturno*

Vamos falar de uma música que ceifou várias vidas, conhecida como "Gloomy Sunday", traduzido"Domingo Sombrio". 

Talvez alguns de vocês já leram a respeito do mesmo ou já ouviram falar, devo dizer que o que passarei a escrever não são de minha autoria mas de informações que pesquisei a respeito desse assunto.

A primeira vez que li sobre isso foi num livro bastante antigo que  encontrei numa biblioteca quando ainda estava estudando na África do Sul (Cidade do Cabo), não me recordo o nome do mesmo, mas nele só havia  relatos verídicos de coisas paranormais que aconteceram a muito tempo principalmente na Inglaterra, Alemanha, e assim por diante, relatos esses que deixavam-me grudado no livro horas e horas sempre que tivesse tempo quando não houvesse aulas.
Bem, desculpem pela longa introdução, vamos ao relato, mais uma vez quero salientar que os seguintes acontecimentos que passarei a narrar são extractos das informações que peguei a respeito desse assunto:

Em Dezembro de 1932 um homem húngaro de nome Reszo Seress estava tentando se sobressair na vida como músico em Paris mas continuava miserável, todas suas composições falhavam em impressionar os produtores da música de França mas Seress continuava na busca de seu grande sonho.

Ele estava determinado a tornar-se um compositor internacional de sucesso. Sua namorada tinha discussões constantes com ele pela sua instabilidade e ambição na vida. Ela dizia nele para arranjar um emprego a tempo inteiro (das nove ás cinco), mas Seress era incompreendido, ele dizia nela ou tornar-se ia músico ou arranjava um outro hobbie e mais nada.

Houve um dia que as coisas ficaram bastante agitada. Seress e sua noiva tiveram uma discussão pesada acerca da sua vida fracassada como compositor, e o casal separou-se após trocarem-se palavras árduas.
No dia seguinte, um domingo, após a noite agitada do dia anterior, Seress sentou-se ao seu piano no seu apartamento olhando pela janela contemplando o céu, de fora podia ver-se o mesmo ficando nublado, cinzento e logo uma chuva torrencial começou a cair. - "Que Domingo Sombrio!" disse Seress pra ele mesmo a medida em que ele ia tocando o piano, de repente seus dedos começaram a tocar uma estranha e melancólica melodia que parecia incorporar-se com tudo que estava ocorrendo na sua vida, sua separação, sua infelicidade, má sorte, sobretudo a forma em como estava o tempo naquele dia.

-"Sim, Domingo Sombrio! Este será o titulo da minha nova musica”, disse Seress todo empolgado, pegou logo um papel e um lápis e começou a escrever as notas num cartão postal antigo. Trinta minutos depois ele terminou de compor a letra, ou seja, a música.


Houve especulações e fatos associados com números
 de suicídio nos anos 30 ambos em Hungria e América,
relacionados com "Domingo Sombrio",
mas a maior parte das mortes supostamente
 ligadas a ela são difíceis de se verificar. 
Seress enviou sua composição para os produtores musicais e esperou por aceitação com uma empolgação que nunca antes havia tido em seu coração. Alguns dias depois o seu cartão postal com a letra da música foi retornada com uma nota de rejeição agrafada nela que dizia: "Domingo Sombrio tem um tom misterioso, bizarro e altamente uma melodia melancólica, e um ritmo depressivo e nos lamentamos em informar-te mas não poderemos publicar a mesma."

A música foi mais uma vez enviada para um outro produtor musical e desta vez foi aceite. O produtor disse a Seress que a sua música seria brevemente distribuída a todas as maiores cidades do mundo. O jovem húngaro estava maravilhado.

Depois de alguns meses, após o Domingo Sombrio ser distribuído houve ocorrências estranhas que envolviam em torno da nova música. Em Berlim, um jovem rapaz pediu a banda para tocar Domingo Sombrio, e depois que a música foi tocada o rapaz foi pra casa e rebentou seus miolos com um revólver após queixar-se aos familiares que ele estava a sentir-se severamente depressivo pela melodia de uma música nova da qual ele não conseguia tirar da sua cabeça, a música era Domingo Sombrio.

Uma semana depois, na mesma cidade, uma jovem assistente de loja foi encontrada enforcada no seu apartamento, polícia que investigava encontrou uma nota no bolso da jovem que continha uma música em cima da cama, a letra era de Domingo Sombrio.

Dois dias após essa tragédia, uma secretária em Nova Iorque publicou uma nota após se suicidar da qual pedia que Domingo Sombrio fosse tocada no seu funeral. Semanas depois, um outro homem Nova Iorquino de 82 anos pulou do seu apartamento no 7° andar após tocar a música mortífera no seu piano. Ao mesmo tempo uma adolescente em Roma que escutara a música pulou de uma ponte e teve morte imediata.
Os serviços noticiosos, a mídia, os jornais de todo mundo rapidamente reportaram outras mortes associadas com a musica de Seress. Um dos jornais cobriu a notícia de uma mulher no Norte de Londres que estava tocando a música Domingo Sombrio com o som no máximo, ficou furiosa do nada e estava ameaçando seus vizinhos que já haviam lido a respeito das fatalidades supostamente causadas por essa melodia. O disco de repente ficou encalhado, tocando repetidamente apenas um trecho da música, os vizinhos batiam na porta mas ninguém abria, então eles forçaram a entrada e encontraram a mulher morta na sua cadeira morte causada por overdose de barbitúricos.

A medida que os meses passavam, grandes acontecimentos misteriosos paranormais e bizarros de mortes e tragédias aconteciam todas ligadas com a música Domingo Sombrio. Persuadidos, os chefes na companhia BBC tiveram que abolir a música amaldiçoada de tocar nas rádios.

Enquanto isso na França, Rezso Seress, o homem que compôs a música controversa estava para experienciar os efeitos adversos da sua criação.

Ele escreveu uma carta para a sua ex noiva pedindo sua reconciliação. Mas dias depois chegou a mais triste e chocante notícia, Seress ficou sabendo que sua amada envenenou-se e foi encontrada uma cópia da letra da música Domingo Sombrio ao seu lado.

Em Janeiro 1968, após 35 anos da música ser escrita, seu compositor Rezso Seress cometeu suicídio, mas sobreviveu quando pulou de uma Janela em Budapeste. Mais tarde, no hospital ele enforcou-se com uma corda.

Houve especulações e fatos associados com números de suicídio nos anos 30 ambos em Hungria e América, relacionados com "Domingo Sombrio", mas a maior parte das mortes supostamente ligadas a ela são difíceis de se verificar. Há lendas urbanas que parecem fazer parte disso, pois acredita-se que o número de suicídio de húngaros que ocorreram naquela década, quando a música foi publicada devesse a outros fatores relacionadas como a pobreza e a fome que assolavam naquela altura. Nenhum dos estudos foi conclusivo se houve realmente um laço ou relação da música com os suicídios.

Nos fins dos anos 30 quando o mundo estava sendo mergulhado na Guerra contra Hitler, a música mortífera de Seress foi rapidamente esquecida numa agitação global, mas as notas da tão temida música continuam disponível (na internet também) para aqueles que estão curiosos para saber o que esta melodia mórbida tem ou poderá ainda exercer sua mortíferas influências...

Mas eu curioso que sou fui a busca da letra na internet, e pra facilitar vocês leitores decidi postar aqui a letra, notem que na internet encontrarão duas versões uma escrita por Lazlo Javor (este mudou a letra bem como deu um outro titulo nela (End of the World), e tem a do próprio compositor Rezso Seress (Gloomy Sunday) a que passo postar aqui tanto em húngaro como a sua tradução em inglês e fiz a tradução para português, devo confessar-vos que a mesma tem uma letra bastante angustiante, triste, misantrópica. Bem aqui vão elas:

s z o m o r ú   v a s á r n a p

r e z s ő   s e r e s s  

Ősz van és peregnek a sárgult levelek
Meghalt a földön az emberi szeretet
Bánatos könnyekkel zokog az öszi szél
Szívem már új tavaszt nem vár és nem remél
Hiába sírok és hiába szenvedek
Szívtelen rosszak és kapzsik az emberek...

Meghalt a szeretet!

Vége a világnak, vége a reménynek
Városok pusztulnak, srapnelek zenélnek
Emberek vérétől piros a tarka rét
Halottak fekszenek az úton szerteszét
Még egyszer elmondom csendben az imámat:
Uram, az emberek gyarlók és hibáznak...

Vége a világnak!

TRADUÇÃO EM INGLÊS:

Gloomy Sunday

r e z s ő   s e r e s s

It is autumn and the leaves are falling
All love has died on earth
The wind is weeping with sorrowful tears
My heart will never hope for a new spring again
My tears and my sorrows are all in vain
People are heartless, greedy and wicked...

Love has died!

The world has come to its end, hope has ceased to have a meaning
Cities are being wiped out, shrapnel is making music
Meadows are coloured red with human blood
There are dead people on the streets everywhere
I will say another quiet prayer:
People are sinners, Lord, they make mistakes...

The world has ended!

TRADUÇÃO EM PORTUGUÊS:

Domingo Sombrio

r e z s ő   s e r e s s

é outono e as folhas estão caindo
todo o amor morreu na terra
o vento está chorando com lágrimas de tristeza
o meu coração nunca vai esperar por uma nova primavera de novo
minhas lágrimas e minhas tristezas são todas em vão
as pessoas são insensíveis, gananciosas e más ...

O amor morreu!

o mundo chegou ao seu final, a esperança deixou de ter um significado
cidades estão sendo aniquiladas, estilhaços é fazer música
Os campos estão tingidos de vermelho com o sangue humano
há mortos nas ruas em todos os lugares
Eu vou dizer outra oração silenciosa:
as pessoas são pecadoras, Senhor, elas cometem erros ...

O mundo acabou!

Quem quiser escutar a música, ai esta ... Bom Domingo !





Fontes : http://www.assombrado.com.br/2013/03/gloomy-sunday-musica-do-suicidio.html              http://www.otempo.com.br/opini%C3%A3o/vida-saud%C3%A1vel/depress%C3%A3o-de-domingo-1.202255
 http://super.abril.com.br/cotidiano/domingo-dia-mais-depre-semana-686639.shtml


20 de maio de 2017

Cuidado com as Palavras





Era noite de sábado e na cidade onde moro muitas das pessoas costumavam sair para um barzinho que tem ali para divertir, pois lá sempre ficava muito movimentado devido aos shows de forro e sertanejo. Neste dia Sr.Tião veio de longe da sua fazenda para poder tomar umas cachaças como de costume, ele chegou e começou a beber, nisso o tempo foi passando e a madrugada chegando, Tião já não estava em perfeito juízo e começou a dizer palavras obscenas e a falar mal do estabelecimento devido a um erro de pedido de um atendente, ele estava bem alterado, ele então notou que ali no bar tinha um rapaz qual sua religião era a Umbanda, este rapaz era muito respeitado apesar da diferença religiosa da maioria dos cidadãos da cidade, porém Sr.Tião católico fervoroso começou a disparar palavras de baixo calão insultando o pobre rapaz que simplesmente ignorou. O dono do bar Zé Firmino estava irritado com Tião e imediatamente o expulsou do bar, apesar de não querer saiu forçado, porém esbravejava e saiu quebrando algumas coisas, do lado de fora pegou então seu cavalo e foi pra estrada afora rumo a sua casa. Ele morava em uma fazenda longe da cidade era mas ou menos 8 km a 10 km. No meio da estrada no escuro da roça ele sente um peso a mais em seu cavalo e neste instante o animal começou a pular, Tião assustado e com medo do que possa ser olha para trás cautelosamente, porem nada vê, ele nota que ali bem próxima tinha uma encruzilhada e nesta havia uma oferenda, tocou rapidamente o seu cavalo que não parava de pular e dar coices. De repente Tião sente uma lambada em suas costas de um chicote, isso faz com que ele desequilibre e caia do cavalo, ao cair Tião leva um susto ao ver uma figura em sua frente um negrinho baixinho com um chicote na mão rindo de Tião e batendo nele com muita força a cada chicotada o sofrimento e o susto aumentava, o que seria aquilo ? Perguntou-se, Tião tenta correr e cai de um barranco e desmaia. No outro dia Tião acorda todo ensanguentado e com marcas por todo corpo, ele contou o ocorrido para amigos e para o delegado da cidade, porem ninguém acreditou no seu conto. Hoje Tião e visto como louco por todos da cidade e ninguém acredita em suas historias e ele insiste que ate hoje vê esse tal negrinho.

Glaucow Maciel Freitas
BLOG :http://horrorurbano.blogspot.com/

Se Copiar Colocar Os Devidos Créditos =]

16 de maio de 2017

Cinco casos Inexplicáveis

1 - O corpo caído 




Era pra ser apenas mais uma simples foto de família, mas algo bizarro e sem explicação aconteceu quando a família Cooper revelou a fotografia. O fato aconteceu após a família ter se mudado para o Texas, EUA. Ficaram surpresos ao se deparar com a presença de um corpo caindo do teto na foto. O resultado foi um clássico ‘photobomb,’ só que de um fantasma trollando a família.

2 -A Chacina de Hinterkaifeck

Na órbita de nosso planeta existe um misterioso objeto escuro datado de 13 mil anos. Sua origem e propósito são um incógnita. O objeto foi apelidade de “Black Knight.” Acredita-se que o tal “satélite misterioso” foi supostamente colocado em órbita para transmitir sinais da Terra, trabalhando como um espião alienígena. Astronautas da NASA ainda não sabem ao certo seu propósito. Sabe-se, no entanto, que só há 60 anos que nós seres humanos conseguimos adquirir tecnologia necessária para lançar um objeto feito pelo homem no espaço. Serão os deuses astronautas?


3- A imortal do World Trade Center 


Nestas duas fotos é possível avistar algo surpreendente, uma mulher está em pé e em ótimo estado na Torre Sul do World Trade Center logo após um avião ter invadido o prédio no famoso 11 de Setembro. O nome da mulher é Edna Clinton, e muitos dizem que ela foi uma das sobreviventes. O mais difícil é explicar como ela foi capaz de sobreviver ao atentado estando no mesmo andar em que o avião atingiu o prédio e ainda conseguir sair do edifício antes de desmoronar. Olha só, tem um barrigudo ali também do lado esquerdo da foto. Alguém aí lembrou de “O Corpo Fechado”?


4 - O caso Falcon Lake 


O caso Falcon Lake refere-se a um estranho objeto voador não identificado que foi avistado próximo a Falcon Lake, Manitoba, Canada. O incidente aconteceu no dia 20 de Maio de 1967 e foi testemunhado por Stefan Michalak, este sujeito da imagem de cima. Ele estava de férias e passeando no parque próximo à província de Whiteshell, quando percebeu a presença de dois objetos com o formato de um charuto descendo do céu, um deles pousou próximo a ele. Michelak disse que viu a porta da nave se abrindo e ouviu vozes saindo de dentro do objeto. Ele tentou um contato com os tripulantes em inglês e em outras línguas, mas não obteve resposta. Ele afirma que o objeto estava envolvido por um vidro colorido, uma espécie de campo de força, e disse que se queimou quando tentou examinar o vidro, e que havia pequenos exaustores dispostos como em uma grade, que expeliram um gás que queimaram sua roupa e sua barriga. Pra mim ele se queimou com a grelha da churrasqueira, mas tudo bem, vamos dar um crédito pro cara.

5 - Viajante do tempo


Acredita-se que esta fotografia é a evidência mais concreta que existe que nós humanos descobrimos uma forma de viajar no tempo. A fotografia foi capturada em 1941 na reinauguração da South Forks Bridge, no Canadá. Um rapaz com vestimenta moderna e um estilão “moderninho demais” pra época, e ainda com uma câmera DSLR que aparentemente era muito avançada para a época. O círculo vermelho da esquerda revela que as câmeras da época eram bem diferentes da que ele tem nas mãos. Eu tenho uma câmera igualzinha, mas aquele não sou eu. Então quem era esse cara? Será que ele já nasceu? Já virei fã do cara!

Não minha autoria .
Fonte : http://rockntech.com.br/

12 de maio de 2017

Amigos Imaginários ( Relatos de Crianças )

Todo mundo conhece ou já ouviu falar de alguma criança que teve um “amigo imaginário” na infância. Um amigo imaginário é um fenômeno social, caracterizado por uma pessoa, um animal ou qualquer outra criatura inventada, geralmente por crianças, com comportamento e personalidade elaborada. O fenômeno, em geral, é normal, pode ser observado em crianças saudáveis e ajudar no desenvolvimento cognitivo, como na linguagem e criatividade. Estima-se que até 25% das crianças primogênitas possam ter amigos imaginários.
Entretanto, nem todos os amigos imaginários parecem ser “amigos”. Pais, irmãos, professores e conhecidos fizeram relatos realmente assustadores de supostos “amigos imaginários” em contato com crianças. Você tem coragem de ler?

O Homem sem Rosto


Quando meu filho tinha 3 anos, sempre me falava sobre um “homem estranho” que morava no quarto dos meus pais. Ele falava disso toda vez que os visitávamos. Eu cometi o erro de peguntar como o homem era, e meu filho respondeu “Não sei, ele não tem rosto”.

“Você se acostumará a matar”


O pai de um dos meus alunos me contou, em uma reunião de pais e mestres, que estava preocupado porque seu filho, de 7 anos de idade, falava sobre um suposto fantasma que conversava e brincava com ele em seu quarto. Ele disse que o fantasma se chamava “O Capitão” e era um homem velho, com barba grande. A criança falou para sua mãe, que O Capitão lhe disse que, quando ele crescesse, seu trabalho seria matar pessoas, e quem lhe diria quem precisava ser morto, seria ele. O menino começou a chorar e dizer que não queria matar ninguém, mas O Capitão disse-lhe que ele não tinha escolha, e ia acabar se acostumando a matar.

A Garotinha no Armário


Quando minha filha tinha 3 anos, teve uma amiga imaginária chamada Kelly, que morava em seu armário. Kelly brincava, conversava e passeava com ela. Contudo, passados dois anos, minha esposa e eu estávamos assistindo “Horror em Amityville” (2005), e nossa filha passou por perto exatamente no momento em que a garotinha morta aparece. Sem se abalar, ela disse “Ela parece com a Kelly”, perguntamos “Kelly?” e ela “Vocês sabem, a menina morta que morava em meu armário”.

                            O Garoto na Árvore


A fazenda dos meus pais é perto de um antigo cemitério, e eu estava passeando com minha sobrinha (4 anos) por lá. De repente, a menina aponta para uma árvore e pergunta “O que aquele menino está fazendo na árvore?”. Não havia nenhum menino, mas ela insistia nisso e o descreveu com detalhes.

O Coelho


Quando eu tinha 16 anos, trabalhava como babá dos filhos gêmeos dos meus vizinhos. Um dos meninos sempre falava em um homem fantasiado de coelho, que o assustava. Um dia eu estava assistindo tv com um deles enquanto o outro tomava banho. O menino virou para mim e disse “Você precisa ver o Matt”. Segundos depois, Matt gritou “Ele está aqui! Ele está aqui!”. Subi as escadas correndo, e tive que checar cada parte da casa para que ele se acalmasse. Não sei dizer qual parte da experiência me deixou mais perturbada.

“Esmagar a cabeça do Papai”

Quando meu irmão mais novo estava aprendendo a falar, tinha ganhado um kit de ferramentas de plástico de aniversário. Ele pegou o martelo de plástico, se aproximou de meu pai (que estava dormindo no sofá) e disse suas primeiras palavras “Esmagar a cabeça do Papai”.

Anjos negros

Quando meu irmão era pequeno, ele dizia que anjos falavam com ele. Um dia, minha mãe ouviu ele cochichar para a parede: “Não posso matá-lo, ele é meu único pai”.

O Homem do sinal da cruz

Minha filha costumava falar sobre um homem que entrava em seu quarto todas as noites e fazia o sinal da cruz em sua testa. Eu dizia à ela que era apenas um sonho. Certa vez, minha sogra enviou algumas fotos de família para nós e minha filha olhou diretamente para o pai do meu marido (que havia morrido há 16 anos) e disse “Esse é o homem que entra no meu quarto à noite.”. Meu marido me contou, depois, que seu pai tinha o costume de fazer o sinal da cruz em sua testa quando era criança.

O Cara Assustador


Quando criança, eu tinha um amigo imaginário. Eu o chamava de “Cara Assustador” e dizia que ele tinha morrido na garagem da casa atrás da nossa. Ele era um jovem de 16 anos que sofreu um acidente de carro, e foi até a casa para pedir para usar o telefone (morreu nos anos 70). A pessoa que vivia na casa abusou sexualmente dele e o matou. A história assustou tanto minha mãe, que ela começou a procurar nos jornais se algo do tipo havia acontecido e me levou ao terapeuta.

“Icy mandou dizer…”


No ensino médio, minha melhor amiga tinha uma irmão mais nova, de 5 ou 6 anos de idade. Um dia, fomos à casa dela para que pegasse suas cartas de Magic. Enquanto eu esperava, sua irmã se aproximou de mim e disse: “Icy me mandou perguntar se você sabe quando vai morrer.” Eu ri, era uma pergunta estranha, né? Mas eu sabia tudo sobre Icy, sua amiga imaginária. Eu até a ajudei a fazer um desenho dela. Então respondi “Não, claro que não. Ninguém sabe. Espero que seja quando eu esteja bem velhinha”. A menina balançou a cabeça e disse “Não, Icy quer que você saiba que será hoje à noite”. E saiu.

Este é o nosso castigo

Eu tinha 17 anos e era babá do filho de uns amigos dos meus pais, de 6 anos. Ele estava dormindo há algumas horas, e fui dar uma olhadinha nele. Quando abri a porta de seu quarto, ele não estava deitado na cama, estava em pé, de cara para a parede. Essa merda era mais assustadora do que qualquer coisa. Perguntei o que ele estava fazendo, ele virou, sorriu, pôs o dedo na boca e fez “Sssshhh”. Eu perguntei de novo e tudo o que ele disse foi “Nos deixe, este é o nosso castigo”.

Continue mexendo as pernas

Meu avô sempre me levava para acampar na beira de um lago quando criança. Um dia, quando eu tinha 6 anos de idade, me desequilibrei e caí na água. Eu não sabia nadar, mas me lembro, nitidamente, de ver uma garotinha embaixo d’água que me mandou olhar para o céu e continuar mexendo as partas, que tudo ficaria bem. Eu obedeci e cheguei na superfície na hora exata em que meu avô estava pronto para mergulhar à minha procura.
Tracy

Quando minha sobrinha tinha 4 anos, tinha um amigo imaginário. Ela costumava culpar o amigo por coisas que ela mesma tinha feito, e comentava que ele sempre assistia Scooby Doo com ela. Um dia, resolvi perguntar sobre este amigo imaginário. Ela disse “É uma menina e está morta”. Perguntei o que ela fazia, “Ela faz o que meu pai faz!”. O pai dela era policial. Então perguntei onde estava sua amiga policial, e ela respondeu “Está sempre no lugar onde meu pai é policial. Eu a conheci quando estava na barriga da mamãe. Ela a tocou quando eu estava lá dentro.” Alguns meses antes de minha sobrinha nascer, minha prima Tracy sofreu um acidente de trem e faleceu. Ela amava Scooby Doo e era policial. Ela trabalhava na mesma delegacia que meu irmão. A amiga imaginária da minha sobrinha era minha prima morta. Não havia outra forma dela saber tantos detalhes com apenas 4 anos de idade.
É por isso que não gosto de água

Quando meu filho tinha 4 anos, estávamos assistindo um documentário sobre o Titanic. Estava mostrando os esquemas de sala da caldeira, e a câmera filmou da esquerda para a direita. Ele apontou para a televisão e disse: “Isso está errado. As caldeiras estavam do outro lado. E eu estava bem aqui” – e apontou para um pequeno espaço na sala da caldeira – “É onde eu estava. E é por isso que eu não gosto de água agora”.

Emily

Quando minha irmã tinha 6 ou 7 anos, tinha uma amiga imaginária chamada Emily. Ela nos contou que Emily morava em seu armário, usava um vestido preto antigo, tinha um longo cabelo preto e a mesma idade que ela. Minha irmã brincava com Emily o tempo todo. Depois de um tempo, meus pais notaram que ela agia de forma estranha. Sentava no meio do seu quarto e sussurrava para Emily “ficar longe deles”. Me lembro de um dia, em especial, em que meu irmão entrou em seu quarto e ela estava sentada lá no meio. Ela olhou para ele e assoviou. Meu irmão ficou muito assustado e disse que ela não parecia nossa irmão. Meus pais correram até seu quarto e eu só ouvia ela gritando várias vezes “Saiam”. Eu não faço ideia do que aconteceu naquele quarto, mas corri para trás das escadas e os gritos pararam.
Vi meus pais carregando minha irmã, ela estava muito inchada de tanto chorar e eles também choravam. Perguntei sobre isso para ela (hoje ela tem 24 anos) e ela contou que Emily costumava dizer coisas horríveis para ela fazer. Contou que, uma vez, acordou no telhado e não sabia como havia chegado lá. Emily, aparentemente, odiava meus pais e virou minha irmã contra eles. Ela odeia falar sobre isso então eu nunca comento sobre aquela noite. Tudo aconteceu na nossa antiga casa, e quando nos mudamos, Emily sumiu. Eu não estou brincando, não estou mentindo. Emily foi um transtorno muito grande para minha família e eu me senti muito aliviada quando deixei aquela casa.
Não sabemos até onde vai a veracidade dos fatos, a questão é que muitos filmes de suspense e terror, surgiram de histórias assim. Quais são os limites da imaginação?