Novidades

11 de dezembro de 2017

O Anticristo


Esse personagem é mencioado principalmente nos livros de Daniel2 Tessalonicenses e Apocalipse. Mas quem é o anticristo e o qual o papel dele no fim dos tempos?
Primeiramente, vamos verificar inicialmente como a Bíblia define o anticristo:
A Bíblia define o anticristo como o filho da perdição e homem do pecado, conforme 2 Tessalonicenses 2:3-4:
"Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado , o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus."
É muito importante mencionar que "filho da perdição" foi também o termo que Jesus usou para se referir a Judas Iscariotes, em João 17:12:
"Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura."
Seria coincidência? A Bíblia afirma que Judas Iscariotes foi possuído pelo próprio Satanás, conforme Lucas 22:3-4:
"Entrou então Satanás em Judas, que tinha por sobrenome Iscariotes, que era um dos doze; e foi ele tratar com os principais sacerdotes e com os capitães de como lho entregaria."
O anticristo também será possuído pelo próprio Satanás. Paulo assim afirma em 2 Tessalonicenses 2:7-10:

Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há ém até que seja posto fora; e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda;a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira,e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos.   

Portanto, Judas Iscariotes e o anticristo são os únicos a serem possuídos pelo próprio Satanás, segundo a Bíblia. Em 2 Tessalonicenses 2:3-4 e 7-10 (acima citados), a Bíblia nos mostra uma das características principais do anticristo, que é se opor a tudo que é de Deus, inclusive os cristãos.
Em Daniel 7:8,11,21 e 25-26, estão também mais características do anticristo. O anticristo é descrito por Daniel como o "pequeno chifre":
8. Eu considerava os chifres, e eis que entre eles subiu outro chifre, pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas. 
11. Então estive olhando, por causa da voz das grandes palavras que o chifre proferia; estive olhando até que o animal foi morto, e o seu corpo destruído; pois ele foi entregue para ser queimado pelo fogo. 
21. Enquanto eu olhava, eis que o mesmo chifre fazia guerra contra os santos, e prevalecia contra eles, 
25. Proferirá palavras contra o Altíssimo, e consumirá os santos do Altíssimo; cuidará em mudar os tempos e a lei; os santos lhe serão entregues na mão por um tempo, e tempos, e metade de um tempo. 
26. Mas o tribunal se assentará em juízo, e lhe tirará o domínio, para o destruir e para o desfazer até o fim.  
 


O ESPÍRITO DO ANTICRISTO


Existe um detalhe muito importante que necessitamos comentar nesse estudo. Para que o anticristo chegue ao cenário mundial com êxito, é necessária uma preparação psicológica da população mundial para que ele seja totalmente aceito assim que chegar. Assim como existe hoje a difusão na mídia de que a marca da besta seria algo bom, prático e atrativo, o mesmo ocorre de forma subliminar para que o anticristo seja aceito assim que for eleito líder mundial.
Por isso, tal como João descreveu em 1 João 4:2-4, o espírito do anticristo já opera hoje realizando exatamente esse trabalho, cujo objetivo é desacreditar a divindade de Jesus Cristo. Alguns exemplos:
  • Equipes que alegam ter encontrado o suposto túmulo com os ossos de Jesus
  • A descoberta do "Evangelho" de Judas
  • Sacerdotes da própria igreja negando o holocausto judeu da Segunda Guerra Mundial
O termo anticristo significa em oposição a Cristo, ou em oposição ao Ungido. De agora em diante, será cada vez mais frequente esse tipo de reportagem. É a intensidade da operação do espírito do anticristo aumentando até culminar na chegada do anticristo em pessoa.


A NACIONALIDADE DO ANTICRISTO


A nacionalidade do anticristo tem sido uma das maiores questões hoje. Existem apenas suposições e pistas. Vamos a elas. Apocalipse 13:1diz:
“E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.”
Isso se refere ao mar de pessoas que vivem em volta do mar Mediterrâneo. Daqui se tira que será um gentio, não um judeu. Daniel 8:8-9 diz o seguinte:
“E o bode se engrandeceu sobremaneira; mas, estando na sua maior força, aquele grande chifre foi quebrado; e no seu lugar subiram outros quatro também insignes, para os quatro ventos do céu. E de um deles saiu um chifre muito pequeno, o qual cresceu muito para o sul, e para o oriente, e para a terra formosa.”
Em Daniel 8, Daniel tem uma visão sobre o império grego se sobrepondo ao império persa, o que sugere que o anticristo (representado pelo chifre menor) tenha, em parte, descendência grega.
Daniel 9:26 se refere ao anticristo como um príncipe que há de vir, o que quer dizer que terá também linhagem da raça que destruiu Jerusalém. Na história, essa linhagem é o império Romano, o que sugere que o anticristo também terá descendência romana.
“E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.” (Daniel 9:26)
Daniel 11:36-37 diz que o anticristo não fará caso do deuses de seus pais. A expressão “respeito ao Deus de seus pais” sugere que os pais do anticristo seguiam ao Deus Altíssimo. Tal fato sugere que o anticristo também terá linhagem judaica.
Nota: A tradução Almeida Corrigida Fiel é a única que nos dá a pista da descendência judia, pois traduz o versículo para “...respeito ao Deusde seus pais...”. As outras traduções, como a Almeida Revista e Atualizada e a NVI, suprimem essa informação e traduzem o mesmo versículo como “respeito aos deuses de seus pais...”, sugerindo que os pais do anticristo já seguiriam a falsos deuses, em vez do Deus Todo-Poderoso.
“E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito. E não terá respeito ao Deus de seus pais, nem terá respeito ao amor das mulheres, nem a deus algum, porque sobre tudo se engrandecerá.” (Daniel 11:36-37)
Portanto, a Bíblia sugere que o anticristo terá descendência greco-romana-judaica.

O GÊNIO E O PODER DO ANTICRISTO
  1. Gênio intelectual (Daniel 7:20)
  2. Gênio de oratória (Daniel 7:20)
  3. Gênio da política (Daniel 11:21)
  4. Gênio do comércio (Daniel 8:25)
  5. Gênio militar (Daniel 8:24)
  6. Gênio em administração (Apocalipse 13:1-2)
  7. Gênio religioso (2 Tessalonicenses 2:4)
QUEM É O ANTICRISTO ?


Há muita especulação sobre a identidade do anticristo. Alguns dos alvos mais populares são Vladimir Putin, Mahmoud Ahmadinejad e o Papa Francisco I. Nos Estados Unidos, os antigos presidentes, Bill Clinton e George Bush, e o presidente atual, Barack Obama, são os candidatos mais frequentes. Então, quem é o anticristo e como iremos reconhecê-lo?

O ANTICRISTO E SEU REINO
Thomas Ice e Timothy Demy
O ANTICRISTO TRARÁ PAZ OU GUERRA ?

O Anticristo será um líder que busca a paz e trava guerras. Na busca de paz ele será bem-sucedido e enganador; ao travar guerras ele será destemido e destrutivo. O Anticristo geralmente é descrito na Bíblia como um guerreiro. Suas atividades são resumidas em Daniel 9.27:
"Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele."
Em Apocalipse 6.2, João apresenta o Anticristo ao escrever: "Vi, então, e eis um cavalo branco e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer."
Nosso mundo precisa desesperadamente de paz, pessoas sinceras de vários contextos de vida trabalham e oram diariamente por uma paz duradoura. Na verdade, como crentes, somos incentivados pela Bíblia a orar por paz. Ainda assim, a instabilidade política é profunda em muitas regiões do mundo. A busca de uma paz permanente no Oriente Médio exige muita atenção e produz muitas manchetes; muitas vidas e carreiras foram sacrificadas na tentativa de trazer paz à região. Em última análise, no entanto, não haverá paz duradoura no mundo enquanto ele não for governado por Jesus Cristo, o Príncipe da Paz.
Quando o Anticristo emergir, será reconhecido e aceito por causa de sua habilidade como pacificador. Como líder da confederação multinacional, ele imporá paz a Israel e ao Oriente Médio, iniciando e formulando um tratado de paz para Israel. O Dr. Walvoord escreve sobre essa paz:
Quando um gentio, líder de dez nações, apresentar um tratado de paz a Israel, este será imposto com força superior e não como um tratado de paz negociado, ainda que aparentemente inclua os elementos necessários para tal acordo. Ele incluirá a delimitação das fronteiras de Israel, o estabelecimento de relações comerciais com seus vizinhos – algo que Israel não tem atualmente, e, principalmente, oferecerá proteção contra ataques externos, o que permitirá que Israel relaxe seu estado de constante alerta militar. Também é possível prever que algumas tentativas serão feitas para abrir áreas sagradas de Jerusalém para todas as religiões a elas relacionadas.[1]
No decorrer dos séculos, cristãos e judeus fiéis seguiram a exortação de Salmo 122.6 de"orar pela paz de Jerusalém." Mas a falsa paz do Anticristo não é a "paz de Jerusalém." O tratado ou aliança de paz do Anticristo só trará uma paz temporária e superficial à região. A princípio ela poderá ser eficaz e reconfortante, mas não durará. Depois de três anos e meio ela será quebrada e os gritos de alegria serão substituídos por gritos de aflição. Como todas as obras de Satanás, a vitória proclamada acabará em dor e violência:
Apesar dos detalhes da aliança não serem revelados na Bíblia, aparentemente ela trará grande alívio para Israel e para todo o mundo. O tempo de paz é previsto nas profecias de Ezequiel que descrevem Israel como um povo "em repouso, que vive seguro" nessa época (Ez 38.11). Em 1 Tessalonicenses 5.3 a frase que estará na boca do povo antes da Grande Tribulação cair sobre eles é: "Paz e segurança." ...A paz de que Israel desfrutará por três anos e meio se transformará tragicamente numa paz falsa e no prelúdio de um tempo de angústia incomparável, quando dois de cada três israelitas morrerão na terra (Zacarias 13.8).[2]
Num determinado ponto, por volta da metade da Tribulação, a paz de Israel será desafiada por exércitos invasores do norte (Ezequiel 38-39). Esses exércitos atacarão Israel, desafiando a paz estabelecida pelo Anticristo e sua autoridade. Mas Deus intervirá a favor de Israel, protegendo-o e aniquilando os exércitos invasores (Ezequiel 38.19-39.5). Isso se realizará em parte por um terremoto (38.19,20), em parte por confusão militar (38.21), e por uma praga acompanhada de granizo e fogo (38.22).
Depois desse conflito e da quebra da aliança com Israel, o Anticristo se declarará líder mundial. Isso poderá ser resultado da sua vitória sobre os exércitos invasores. O Dr. Walvoord escreve que "o líder da confederação de dez nações se encontrará numa posição em que poderá proclamar-se ditador mundial, e aparentemente ninguém será forte o suficiente para lutar contra ele. Sem ter que lutar para conseguir isso, ele governará o mundo como instrumento de Satanás."[3] Seu poder e força aumentarão, assim como sua tirania, e isso resultará num desafio final da sua força militar e política, que culminará na batalha de Armagedom (Apocalipse 16.14-16). Como tantos líderes e governantes antes dele, o Anticristo prometerá paz e travará guerras. Ele entrará num conflito de conseqüências globais – um conflito definitivo do tipo "quem ganhar fica com tudo" – e será derrotado e destruído por Jesus Cristo (veja Salmo 2).

9 de dezembro de 2017

Os Fantasmas Da BR-381 "Rodovia Da Morte"



Era um fim de semana como outro qualquer, Enzo e seus amigos Sara ,Julio e Amanda saiam de Belo Horizonte rumo a cidade de Ipanema-MG , o pai de Enzo tinha uma fazenda no local e ele tinha a emprestado para o filho durante o fim de semana para levar seus amigos e comemorar seu aniversario .A viagem ocorria bem exceto pelo fato da chuva cair forte e do fluxo de carro ser intenso por conta do fim de semana e feriado prolongado na semana sequinte, eles cortavam a 381 uma das rodovias mais perigosas no Brasil ,quando de repente o carro morre de maneira misteriosa, assustados e apreensivos encostam o carro na margem da BR e sinalizam para evitar acidentes que são muito comuns no local. Como nenhum deles entendia nada de mecânica eles resolvem procurar um local para passar a noite já que estava tarde e ninguém parava para prestar ajuda ate mesmo por medo de ser alguma armação para um suposto assalto ou algo do tipo, Julio vai pela estrada a procurar de algum lugar para poderem passar a noite um hotel , motel ou ate mesmo alguma casa com alguma pessoa com boa fé para os acolherem ,enquanto isso os demais ficam a espera de ajuda ,Julio então volta correndo dizendo que tinha avistado uma casa próximo ao local onde o carro estava e que parecia ter alguém nela, convencidos eles largam o carro e correm até o local. 


Era uma casa abandonada a unica por perto por sinal, chegando la resolvem chamar por ajuda, porem não obtiveram respostas, até que um menino e uma menina aparecem em uma das janelas abruptamente e desaparecem, eles então continuam chamando, a ajuda demora a chegar mais quando estavam quase desistindo uma senhora aparece e então eles explicam o que aconteceu ,a senhora os convida para entrar e os recepciona de uma maneira muito boa e mostram então os quartos onde passariam a noite a velha senhora parecia triste uma aparecia melancólica e nada amistosa apesar de toda sua calorosa recepção aos convidados, ficam meio receosos ate mesmo por não a conhecerem, mas aceitam a unica ajuda que tinham. Todos então vão para seus respectivos quartos , no meio da noite Amanda começa a escutar gritos de agonia vindo da BR ela assutada levanta e resolve chamar por Enzo que estava no mesmo quarto e resolvem olhar o que pode estar acontecendo , ao abrirem a janela deparam com um menino no meio da estrada parado, eles o reconhecem era o mesmo garoto que aparecera na janela naquela noite, Amanda grita pro menino sair de la com medo de que o mesmo seja atropelado, enquanto Enzo corre para poder socorrer o menino mas ao chegar la não encontra nada , Amanda então resolve chamar a senhora da casa mas ao entrar em seu quarto não encontra ninguém nota que a cama estava arrumada como se quer uma pessoa estivesse deitado, então começam a pensar por onde aquela senhora estava já que não tinha nem 2h que foram se deitar, assustados Enzo e Amanda vão chamar Julio e Sara ao entrar no quarto dos dois eles avistam então uma garotinha parado em um canto do quarto chorando, assim que aproximam notam que a menina tinha uma feriada na cabeça muito profunda e a mesma começa a correr em direção a rua Enzo vai atras mas não consegue acompanhar, Julio e Sara acordam com os gritos de Amanda perguntam o que estava acontecendo Enzo então diz que não tem como explicar e diz que devem sair dali e procurar um mecânico e continuar a viagem que algo muito estranho estava acontecendo. 


Quando saem do lado de fora um carro se aproxima um homem de aproximadamente 40 anos avança em Julio perguntando o que estavam fazendo ali e o que queriam , então travam se em uma briga rápida e Enxo explica que o carro estava estragado e que uma senhora os convidaram para poder entrar no local e passar a noite já que não tinha como eles saírem com o carro quebrado, naquele instante o homem de nome Paulo diz que não morava ninquém na casa e que as únicas pessoas que ali moravam já estavam mortas vitimas de acidentes próximo a rodovia , Enzo insiste e diz que realmente alguém os tinham ajudado  e que estes os tinham convidado e que um menino acompanhava a senhora , Paulo em lagrimas segura Enzo e diz que ele não pode estar falando serio mas ao notar que não tinha nenhum sinal de arrombamento e invasão na casa começa a desconfiar do ocorrido ate que Paulo entra na casa e volta com uma foto com uma senhora , um senhor e duas crianças e pergunta se por acaso era alguma das pessoas de tal foto , Enzo então confirma e Paulo explica que as pessoas da foto morreram a anos e que eles não foram os primeiros a ser recepcionado pela senhora que Paulo se diz filho. Dizem também que ate hoje a senhora recepciona muito bem todos convidados que ficam perdidos na BR 381.

Se copiar colocar devidos créditos
Ass:Glaucow Maciel Freitas

3 de dezembro de 2017

Sexta Feira Da Paixão - O Pecado


Era semana santa e resolvemos aproveitar no litoral da Bahia eu e mais dois amigos alugamos uma casa por uma semana para podermos sair da rotina. Em uma sexta feira santa, como de costume por conta da nossa religião (católica) não era bom comer carne vermelha e nem beber bebidas alcoólicas, naquele dia fomos então para rua, estava muito cheio o lugar, pois tinha um show na beira do mar, só que tínhamos decidido não beber ate meia noite, porem às 22 horas eu estava decido a tomar alguma coisa, Fernando um de meus amigos disse que não iria esperar também e que também queria beber algo e Tiago dizia sempre “Espera, já vai da meia noite” só que o tempo parecia não passar, compramos então cerveja e vodca e começamos a beber, era 11h30min, bom agora já era tarde estávamos levemente alterados. Foi uma semana incrível, nos divertimos muito, e ainda conhecemos várias pessoas que também estavam ali a passeio.

O dia de ir embora estava chegando e eu não estava me sentindo bem, parecia enjoado e algo me incomodava muito. No dia pegamos o carro e partimos, foram7 horas de viagem, mas enfim estávamos em casa, chegamos era madrugada e eu estava muito cansado me deitei na cama e fui dormi , quando de repente no meio da noite sinto uma presença estranha no meu quarto, algo estava em pé na frente da minha cama me olhando fixamente, havia uma criatura um ser que eu só enxergava do pescoço para baixo e tinha uma forma um tanto quanto bizarra, como eu sabia que aquilo me observava ? Aquilo estava rindo de min  e o mal estar era enorme,  eu não conseguia me posicionar para ver o que havia ali e eu estava suando frio e tremendo parecia que ia morrer em meio aquelas risadas estranhas, sem contar nos grunhidos que aquele ser emitia, acordei assustado e fui lavar o rosto e tomar uma água para ver se me acalmava, me deitei novamente e este episodio se tornou a repetir.

No dia seguinte quando me deitei adormeci rapidamente, foi quando me dei conta que eu estava passando por um episodio de paralisia do sono, algo que me acontecia às vezes, senti novamente aquela presença estranha em meu quarto, meu corpo estava paralisado e apenas meus olhos se mexiam, era estranho não podia fazer nada, estava sem reação e aquela coisa ali me olhando e rindo de min foi quando repentinamente senti meu colchão afundar um peso na minha cama, aquilo estava deitado do meu lado, meu corpo estava petrificado, eu estava suando frio e parecia que ia explodir a qualquer instante, aquela coisa estava deitada comigo e como minha cabeça estava virada para o outro lado não podia ver o que era, mas escutava grunhidos e uma respiração forte e ofegante em meu pescoço que me deixou em estado de choque, eu estava muito assustado minha vontade era de gritar falar algo, mas nem mesmo as orações que fazia em minha cabeça tirou aquele fardo que sentia naquele momento.

Passei uma semana com estes acontecimentos bizarros, aquela criatura me perseguiu por um bom tempo, hoje não tenho mais problemas com isso, mas também não sei bem explicar o que aconteceu e porque aconteceu, será que foi algum tipo de castigo? Ou seria o próprio diabo? Quem sabe apenas alucinações e ilusões criadas por minha mente nos episódios de paralisia do sono. Algum de vocês já passou por isso? Deixei nos comentários.

Por:Glaucow Maciel Freitas

http://horrorurbano.blogspot.com

2 de dezembro de 2017

A Casa dos Esquecidos



O documentário apresentado no programa Conexão Repórter do SBT no dia 23 de agosto de 2012 intitulado “A Casa dos Esquecidos” mostrou a realidade do cotidiano de um hospital psiquiátrico da cidade de Sorocaba no estado de São Paulo. Para isto o produtor do programa infiltrou-se durante duas semanas como um empregado do hospital, sendo que mais tarde o repórter Roberto Cabrini também compareceu ao local para completar a reportagem investigativa realizando entrevistas com funcionários e internos que culminou com a visita do ministério público e outros órgãos públicos para analisar o que programa denunciara a respeito de maus-tratos, abandono e violência aos pacientes.

A realidade apresentada pelo documentário reafirma a urgência de uma questão que vem sendo discutida internacionalmente e na sociedade brasileira por décadas, que é a reforma psiquiátrica, que, aliás, se for analisada iniciou-se com o próprio surgimento da Psiquiatria, porém como entendida e vista atualmente é diferenciada e com inicio a partir da segunda metade da década de 1970, baseando-se na crítica do modelo asilar bem como as medidas de normatização e controle. A reforma psiquiátrica brasileira baseia-se na reforma italiana, com algumas diferenças e adaptações, sendo que conta com premissas de prestar diferentes alternativas de tratamento, desmistificar a doença mental e criar uma nova mentalidade a esse respeito. Tais premissas representam uma grande gama de mudanças em várias áreas como a política, administrativa, jurídica, social e técnica para culminarem na restituição da cidadania do louco. Para efeito de análise o caso do hospital Vera Cruz é utilizado aqui como exemplo e parâmetro de tal movimento reformista no Brasil.


Ao assistir o documentário percebe-se um cenário de abandono, demonstrada pela falta de zelo pela estrutura do hospital, bem como zelo diretamente aos internos, violência manifestada por agressões físicas entre os pacientes e psicológica generalizada, falta de condições de trabalho adequadas e de contingente de técnicos coerente a lotação. Externamente, o hospital apresentava condições regulares e sem maiores problemas aparentemente, porém era apenas uma máscara para as condições gerais, que internamente se mostraram de forma diferente, tanto estruturalmente como em questões de higiene. Foi mostrado que o hospital não possuía camas suficientes a todos os paciente, alguns deles dormiam junto a outros, algumas camas não possuíam colchões sendo que dormiam sobre a estrutura de madeira da cama, alguns deles deitavam-se ao chão. O produtor infiltrado no hospital em uma imagem externa mostra os cobertores em péssimas condições em sua maioria rasgados e desgastados sem condições de atenderem as necessidades de quem os utilizassem. Em várias imagens do documentário foram mostradas fezes pelo chão de corredores e quartos, o que além de ser uma situação desagradável conota implicações em questões básicas de saúde sendo que o produtor sentiu-se mau e com náuseas por vezes. Muitas vezes foi visto que os pacientes andavam nus pela instituição, em outro momento o produtor questiona uma funcionária que revela que havia pacientes que nas próprias palavras dela diz que “namoravam” abertamente e podiam ser vistos em algumas ocasiões “namorando”, em outras cenas vê-se internos sendo impedidos de circularem pelo local e serem trancados em alas por grades e bem como um deles foi visto sendo barrado da fila para realizar a alimentação no refeitório de uma forma inadequada e até agressiva, agressividade que também foi vista entre alguns dos pacientes. Também foi mostrado um dos internos, talvez amenizando a falta de funcionários trabalhando na lavanderia, um local com periculosidade, havendo necessidade de muito cuidado para lidar com o maquinário que apresenta certo risco o que era avisado por sinalizadores nas paredes bem como o cuidado de risco biológico, portanto havendo necessidade de utilização de equipamentos de proteção individual específicos, o que não havia de qualquer forma, estando então exposto livremente aos riscos de saúde e de vida. Para finalizar o relato das condições verificadas no documentário neste texto, mas que não representa um relato integral dos fatos finaliza-se informando que após o desaparecimento de um paciente o corpo de bombeiros foi acionado para localizá-lo nas regiões próximas ao hospital e que outro paciente morreu durante a realização da investigação para o documentário de acordo com o hospital por engasgamento ao se alimentar com um pão.


Considero a reportagem investigativa realizada de grande valia e que corrobora com a crítica do movimento da reforma psiquiátrica brasileira, pois que mostra os bastidores de um hospital, que embora particular, mas que se baseia num modelo asilar clássico e que retrata as condições possivelmente da maioria dos manicômios brasileiros aonde a exclusão, os maus-tratos, abandono, violências e desprezo são realidades vivenciadas constantemente. O que foi mostrado pelo programa é mais uma prova da falência de um sistema asilar para tratamento de pessoas com doenças mentais, o que, aliás, também está em desacordo com os modelos propostos pelo movimento de reforma que considera essencial a inclusão social, a assistência multidisciplinar e interdisciplinar de variadas formas de tratamento ofertadas aos pacientes de forma coerente aos seus casos e a comunidade as quais fazem parte, bem como está em desacordo com outras questões como a eliminação dos meios de contenção, o restabelecimento da relação do indivíduo com sua identidade através do corpo, a liberdade de expressão, a liberdade de acesso sem grandes restrições, formas propícias da liberação dos sentimentos entre outras e que por fim devolva a cidadania a cada um deles de acordo com as possibilidades específicas. A reportagem mostrou que o hospital não tinha apenas falta de condições materiais, mas também condições técnicas, práticas, de trabalho e contingente, em que nada favorecia aos pacientes a um tratamento mais adequado, sequer digno, bem como os funcionários ao menos de prestarem uma assistência básica, o que mais contribuía para a sobrecarga de trabalho e desgaste emocional destes que retornava de forma negativa aos pacientes como através de falhas de atenção e motivação dos funcionários e que o processo como um todo parece um ciclo vicioso e que estimula a uma dependência por parte dos pacientes, pois que se não têm tratamento adequado, não têm por consequência seus sofrimentos amenizados, menos ainda melhoras que os habilitem a reinserção e reintegração progressiva na sociedade e então permanecem no hospital que por sua vez recebe os recursos financeiros para permanência dos pacientes. Por fim constato que não houve inconformidades somente em relação a novos modelos mais justos, adequados e eficazes que a reforma psiquiátrica preconiza e propõe, contudo inconformidades relacionadas a fatores mais elementares inerentes a qualquer pessoa que é cumprimento dos direitos humanos. Contudo, o Ministério Público a partir da denúncia realizada pelo programa Conexão Repórter executou uma ordem de busca e apreensão no hospital Vera Cruz.

Assista ao documentário no link abaixo:
FONTE:
http://fabriciocorreasimoes.blogspot.com.br/2013/02/a-casa-dos-esquecidos.html


25 de novembro de 2017

O Mistério do Bebê





Tinha tudo para ser mais um Sábado como outro qualquer, se não tivéssemos combinado de reunir a turma na casa de campo de um dos amigos, juntou uma galera e partimos para essa casa. A casa ficava na cidade, porem em um lugar mais calmo em que o barulho que causaríamos não atrapalharia a vizinhança, pois esta não existia, era bem deserto as proximidades, a casa mais próxima ficava a 20 km de distancia. Chegamos com intenção apenas de interagirmos só a galerinha, tomar umas e outras, conversar, botar o papo em dia e curtir o final de semana só que sempre rolava uma treta ou outra de um e outro sem noção. De noite o frio nos assustou ,os locais ao redor da casa eram realmente gelados, acendemos uma fogueira e nos reunimos ao redor no fundo da casa , com o passar do tempo o frio foi aumentado  até que resolvi pegar a próxima rodada de cerveja para a galera, ao chegar na geladeira que era próximo a porta da frente escuto um choro de criança vindo do lado de fora , fiquei espantado, mas fui checar , ao abrir a porta me deparo com um bebe enrolado em um cobertor em frente a porta, muito assustado e preocupado com a criança a pequei e chamei os demais, resolvemos então ligar para a policia . Assim que a policia chegou, elas pegaram a criança e a levou, dizendo que resolveriam aquilo, nos agradeceram e partiram, porem fiquei intrigado e alguns de meus amigos queríamos saber qual fim a criança levaria e eles prometeram entrar em contato assim que encontrassem responsáveis ou algo do tipo. Voltamos à fogueira e continuamos o papo, falei então da criança e começamos a discutir quem seria o doido que teria feito tamanha covardia, a madrugada foi chegando e o sono também, resolvemos deitar. Tive um sonho com a criança do qual não me recordo bem. Na manha seguinte liguei para os policiais para saber sobre a mesma, porem a noticia era muito estranha a criança tinha desaparecido no orfanato que a deixaria por tempo determinado, perguntei se tinham alguma pista ou sabiam de algo, porem a dona do orfanato disse que não notou nada de estranho que simplesmente ao acordar pela manha notou que a criança havia sumido . Achamos aquilo muito misterioso e intrigante ,  só que deixamos o trabalho com as autoridades , nos divertimos o dia todo até que a noite chegou e fomos para a fogueira novamente , desta vez assim que nos acomodamos escutamos um choro , aquele choro era familiar , fomos atraídos ate a porta da frente assim que a abrimos deparamos novamente com a criança enrolada  ao chão, ligamos para a PM assim que chegaram não acreditaram no que estava acontecendo , fomos levados a delegacia e interrogados , acharam até que teríamos pego a criança e estivéssemos armando tudo aquilo, porem estávamos tão assustados quando a Policia, não sabíamos de nada e fomos liberado após um tempo . Até hoje não sei que fim levou a criança e como ela toda noite vinha parar a porta da casa da cabana, a policia também não compreende tal fenômeno que até hoje esta sem solução e se quer encontraram laços de parentesco de alguém com a criança. Não sei que fim a criança levou e ate hoje nunca mais voltei a tal cabana.

Se copiar colocar devidos créditos
Ass : Glaucow Maciel Freitas


19 de novembro de 2017

Caso Ônibus 174

Passageira é morta após Sandro do Nascimento invadir o ônibus 174, no Rio. Ele morreu asfixiado em camburão da polícia.

No dia 12 de julho de 2000, Sandro Barbosa do Nascimento, 21 anos, foi morto pela polícia após manter reféns por cerca de cinco horas em um ônibus de linha no Rio de Janeiro. Antes de morrer, Sandro matou uma das reféns. O sequestro do ônibus 174 foi transmitido ao vivo pela TV.

Sandro cresceu nas ruas do Rio de Janeiro. Sua mãe foi abandonada por seu pai quando ela estava grávida. Com seis anos, ele testemunhou o assassinato de sua mãe, a facadas, na favela do Rato Molhado, onde moravam. Grávida de cinco meses, caiu sobre uma faca que havia sido cravada em suas costas.
Após a morte da mãe, foi morar com a tia, mas fugiu e virou menino de rua. Em 1993, Sandro testemunhou – e sobreviveu – a mais um crime, a chacina da Candelária, na qual oito meninos de rua foram mortos por policiais.
Usuário de drogas, cometia crimes para manter o vício. Amigos da rua diziam que ele cheirava muita cola e cocaína. Ficou preso em uma instituição para menores infratores e, no momento do sequestro, era fugitivo – cumpria duas condenações, por furto e roubo a mão armada. Sandro não tinha documentos.
Às 14h25 do dia 12 de julho de 2000, quando estava em frente ao hospital da Lagoa, na rua do Jardim Botânico, Sandro fez sinal para o ônibus 174, que fazia o trajeto Gávea – Central do Brasil. De bermuda , camiseta, chinelo e revolver 38 à mostra, pulou a catraca e sentou-se em um banco perto da janela. Um dos passageiros notou a arma e sinalizou para um carro da polícia.
Dois policiais interceptam o ônibus em frente ao Clube Militar, e o sequestro tem início. O motorista, o cobrador e vários passageiros conseguem fugir de dentro do ônibus. Porém, Sandro fica com cerca de dez reféns.
Às 14h40, mais policiais chegam ao local e começam as negociações. O Bope (Batalhão de Operações Especiais), tropa de elite da polícia carioca, é chamado para conduzir a negociação com Sandro. Os policiais, sem saber o nome do criminoso, passam a chamá-lo de Sérgio. O sequestrador pede o boné de um policial militar, que passa a usar virado para trás.
Sandro parece visivelmente alterado. Em um determinado momento, ele pede para a refém Luciana Carvalho dirigir o ônibus para saírem do local. Nesse momento, ele se queixa da presença da imprensa e diz para a polícia tirar os fotógrafos e cinegrafistas de perto do veículo. A polícia ainda não tinha isolado a área.
Às 15h48 Sandro atira contra o pára-brisa do ônibus para intimidar a polícia e a imprensa, sem acertar ninguém. Com o passar do tempo, ele começa a falar para as câmeras que o filmavam. “Eu acho que a televisão permitiu que ele se sentisse poderoso”, afirma uma das reféns, no documentário “Ônibus 174”, de José Padilha. “Na medida em que ele sabia que estava sendo filmado e queria ser filmado.”
De acordo com os reféns, ele os obrigava a chorar e a gritar, para que a situação dentro do ônibus parecesse ainda mais dramática. Inicialmente, ele não faz nenhuma exigência. Sandro diz aos reféns que não quer se entregar pois teme ser morto pelos policiais ou na cadeia.
Às 16h02, o refém Carlos Leite Faria, 35 anos, pula a janela do veículo e é brevemente detido como suspeito de ser cúmplice de Sandro. Meia hora depois, Sandro olha para um refém, vê sua bolsa e questiona se o rapaz é estudante. Ao receber uma resposta positiva, afirma: “Então vai embora que você deve estar atrasado”. William Nunes de Moura, 28 anos, sai do ônibus e diz que Sandro parece estar drogado e grita muito.

A refém Janaína Lopes Neves, de 23 anos, é obrigada a escrever com batom no para-brisa do ônibus: “Ele vai matar geral às 6h. Arrancaram a cabeça da mãe dele”. Outras frases como “ele tem um pacto com o diabo” também foram escritas pela refém.
Às 17h24, Damiana Nascimento de Souza é libertada após dizer para Sandro que tinha um irmão na cadeia. Ela já havia sofrido dois AVCs (acidente vascular cerebral) anteriormente e estava passando mal. No episódio, ela sofreu mais um AVC, perdendo a fala e os movimentos do lado esquerdo do corpo.
“Da mesma forma que vocês é perverso (sic), eu também não sou de bobeira não”, grita Sandro de uma das janelas do ônibus. Apontando a arma para a cabeça de uma das reféns, ele afirma que irá matá-la às 18h “para o Brasil inteiro ver” se não receber uma granada. “Há 15 anos, arrancaram a cabeça da minha mãe”, continua. “Eu não tenho nada a perder não.”
Na opinião de psicólogos e cientistas sociais, ele prolongou a situação pois ali sentiu-se poderoso, deixou de ser um menino de rua “invisível”, indiferente aos outros, como sempre fora.
Fazendo ameaças e falando descontroladamente, ele menciona as chacinas de meninos de rua de Vigário Geral e da Candelária. “Vocês não mataram meus amigos na Candelária? Eu tava lá.”
O tenente-coronel José Oliveira Penteado, responsável pelo comando da operação, queria que algum membro do Bope atirasse em Sandro, e atiradores foram posicionados. A localização do sequestrador favorecia uma ação desse tipo: Sandro estava em um ônibus cercado por janelas que permitiam vê-lo.
Ele, inclusive, colocou a cabeça para fora do ônibus diversas vezes. Segundo policiais presentes na ação, houve mais de dez oportunidades para se efetuar um disparo na cabeça de Sandro sem colocar os reféns em risco. No entanto, Penteado recebe várias ligações de autoridades não reveladas dizendo para não matar o sequestrador.
Às 17h38, Sandro coloca um lençol na cabeça de Janaína e diz que irá matá-la. O sequestrador coloca Janaína no chão do ônibus e vai a uma janela, com outra refém, para exigir R$ 1.000, duas granadas e um fuzil.
Sandro então dispara para baixo, supostamente na direção de Janaína. A refém que ele segurava consigo põe a cabeça para fora da janela e diz que ele matou a garota no chão. Do lado de fora, não é possível ver o que acontece com Janaína, que finge ter sido atingida. O sequestrador ameaça matar outra mulher. Segundo as reféns, ele mudava muito de planos.
Às 18h44, um homem de muletas é libertado. Em seguida, sem aviso prévio, ele sai do ônibus usando a refém Geísa Firmo Gonçalves, de 20 anos, como escudo humano. Ele segura Geísa pelos cabelos, aponta o revólver contra sua cabeça e diz aos policiais que esta é a última chance de negociação, senão ele irá matar a refém e suicidar-se.
Escondido na frente do ônibus, um policial do Bope, soldado Marcelo Oliveira dos Santos, 27 anos, aproxima-se de Sandro lentamente pelo lado direito, tentando não ser notado. Porém, quando ele prepara sua submetralhadora HK para atirar, Sandro vira a cabeça em sua direção. O policial erra o tiro e acerta de raspão o queixo de Geísa.
O sequestrador atira nas costas da refém, e ambos caem no chão. Ele faz ainda dois disparos em Geísa antes de ser desarmado. Para os trinta e cinco milhões de brasileiros que acompanham ao vivo pela TV, a impressão é a de que ele havia sido atingido.
A multidão de curiosos avança na direção do sequestrador com a intenção de linchá-lo. Com dificuldade, a polícia coloca Sandro em um camburão, onde ele morre por asfixia. Segundo os policiais que estavam dentro do carro, ele estava muito agressivo, tendo quebrado o braço de um policial e mordido outros. A solução, segundo os policiais, foi fazer ele desmaiar por meio de uma “gravata”.
Policial socorrendo a vitima
A polícia afirmou posteriormente que o soldado que atirou agiu por iniciativa própria – homens do Bope têm esse grau de autonomia. A ação policial foi criticada por uma série de erros e falhas durante a ação: a área demorou para ser isolada, o sequestrador não foi morto quando ele estava mais vulnerável, ou seja, dentro do ônibus, a arma usada por Santos era inadequada, os policiais não tinham rádio e comunicavam-se por sinais, entre outras.
Os dois policiais acusados de assassinar Sandro foram considerados inocentes por um júri popular. A perícia mostrou que Geísa foi atingida por quatro disparos: o primeiro, feito pelo policial, de raspão no queixo, e os outros três, de Sandro – dois no torax e um no braço.
Além do documentário de José Padilha, feito em 2002, o sequestro também foi adaptado para o cinema em “Última Parada 174” (2008), dirigido por Bruno Barreto. Após o crime, a linha 174 mudou de número para 158.

 FONTE:http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/crimes/caso-onibus-174/n1596994175871.html

18 de novembro de 2017

As Faces de Bélmez


Casa de Maria

Tudo começou em agosto de 1971, quando María Gómez Cámara, residente da cidadezinha de Bélmez de la Moraleda, situada na província de Jaén, notou algo estranho no piso da cozinha de sua casa. A mulher percebeu que havia uma mancha se formando no chão, mas, em um primeiro momento, não teria dado muita bola para a coisa toda. Afinal, quem nunca derrubou molhos e outras coisas enquanto cozinhava e teve dificuldades para se livrar dos vestígios depois?!

É claro que María tentou limpar a mancha do piso, mas, com o passar dos dias, ela se deu conta de que, em vez de desaparecer, o borrão estava se tornando cada vez maior. E mais: além de estar aumentando de tamanho, a marca estava tomando a forma do que parecia ser um rosto humano.
Assustada, María teria aplicado todo tipo de produto de limpeza sobre a mancha e, ao ver que ela não sumia, a mulher mostrou a estranha imagem para o marido e o filho, e o trio decidiu arrancar o piso e aplicar uma camada de cimento no chão da cozinha. O problema é que, cerca de uma semana depois, outro rosto começou a se formar no novo pavimento — e não demorou até que rumores sobre a estranha mancha começassem a circular por Bélmez.

Boatos

Segundo relatam algumas fontes, o caso acabou chegando aos ouvidos do prefeito da cidade, e ele, por sua vez, teria mandando um fragmento do piso para ser analisado. Então, um time de especialistas foi enviado até a residência de María e, após dar uma olhada na cozinha, foi decidiu que escavações seriam conduzidas para tentar descobrir o que poderia ser a causa das persistentes manchas.

Dizem que os trabalhadores encontraram diversos esqueletos medievais enterrados sob a cozinha de María, a pouco mais de três metros de profundidade, e que alguns crânios dessas ossadas estavam faltando. Os corpos — alguns datados do século 13 — foram removidos, novamente sepultados em um cemitério católico local e o chão da residência reparado. No entanto, de acordo com os relatos, isso não impediu que os rostos voltassem a aparecer.
Aproximadamente duas semanas depois de um novo piso ser colocado na cozinha de María, novas manchas voltaram a surgir e, ao longo das décadas seguintes, diversas faces teriam se formado no chão da residência. De acordo com os testemunhos, os rostos que apareciam eram, em sua maioria, de mulheres e crianças, e era comum que um fosse sobreposto por outro diferente — o que muitas vezes acontecia em intervalos de poucas horas. Na época, a notícia sobre as aparições se espalhou por todo o mundo, e inúmeros pesquisadores, céticos e especialistas em eventos paranormais foram até Bélmez investigar o caso. Evidentemente, as imagens também atraíram muitos curiosos, e a casa de María se transformou em um ponto de peregrinação.

Segundo dizem, análises realizadas em fragmentos obtidos do piso da cozinha apontaram que não havia nenhum tipo de tinta ou pigmento nas amostras. Além disso, diversos testes teriam sido conduzidos no local — incluindo um que consistiu em vedar portas e janelas com cera e cobrir o chão com tecido durante um período de três meses. Curiosamente, o experimento teria apontado que os desenhos tinham evoluído sozinhos no decorrer desse tempo.


Mas... e ai ?


O caso das “Faces de Bélmez” chegou a ser considerado como um dos fenômenos paranormais mais importantes e bem-documentados do século 20, e diversas teorias foram propostas ao longo dos anos para explicar o surgimento das imagens. Mas, como você bem pode imaginar, muitos pesquisadores afirmaram que a coisa toda não passou de uma elaborada farsa.

Entre os argumentos dos céticos está o fato de alguns testes terem apontado que os desenhos teriam sido criados por meio de uma simples mistura de vinagre com fuligem, sem falar que María e sua família teriam começado a cobrar uma pequena taxa dos curiosos e turistas que queriam ver as imagens. Ademais, de acordo com os incrédulos, na ausência de María, o aparecimento dos rostos parecia cessar.
Outro fator apontado pelos céticos é o contexto cultural em que a coisa toda se deu, uma vez que Bélmez se encontra na Andaluzia, uma região da Espanha onde as tradições ciganas e católicas muitas vezes se confundem, dando origem a uma fusão de crenças que misturam superstição e religião. Contudo, segundo dizem por aí, María faleceu em 2004, e os rostos continuaram a aparecer — embora de mais vagos e menos definidos do que os de antigamente. E você, caro leitor, o que acha?
FONTE:https://m.megacurioso.com.br/misterios/103289-voce-ja-ouviu-falar-do-intrigante-caso-das-faces-de-belmez.htm